02/01/2016 - Aos 104 anos, idosa sabe tabuada de cor e revela segredo da longevidade

02/01/2016 - Aos 104 anos, idosa sabe tabuada de cor e revela segredo da longevidade

Lúcida e saudável aos 104 anos, Nympha Escolástica terá o privilégio de passar a virada de mais um ano com a família. A idosa nasceu em  Santo Antônio do Leverger, a 35 km de Cuiabá. no dia 1º de novembro de 1911. Mais velha de um total de 11 irmãos, Nympha é também a única deles que continua viva. Simpática e bem-humorada, é mãe de cinco filhos e tem 20 netos, 25 bisnetos e 3 tataranetos. O segredo da longevidade, segundo a anciã, é não se estressar.

"Eu não sou a palmatória do mundo. A calma é o mais importante. Tem que evitar a raiva. Eu não ligo para nada", disse 
Nympha. Viúva do fiscal do trabalho José Vitório da Silva Lara, que morreu em 1991, ela vive há aproximadamente 30 anos com uma das filhas, Enir
 da Silva Moreira, em um apartamento em Cuiabá.

 

A audição já não está como antes, é fato, mas a idosa não tem nenhum problema de saúde. O colesterol é normal, assim como os níveis de açúcar no sangue e a pressão. Mas o que mais chama a atenção na anciã é a memória. Nympha sabe a tabuada de cor e se recorda de fatos da juventude como se tivessem ocorrido há pouco tempo.

Uma das histórias que ela conta foi de quando o futuro marido avisou que iria pedi-la em casamento. "Eu disse pra ele: 'Você não é homem para me enfrentar. Sou feia, de 
cabelo grenho, uma moça de preguiça e indomável'. Mas mesmo assim ele insistiu", relembra.

 

Dona Nympha nasceu em Santo Antônio do Leverger (MT) (Foto: Carolina Holland/G1)Dona Nympha nasceu em Santo Antônio do Leverger (MT) (Foto: Carolina Holland/G1)
 

José Vitório insistiu e acabou vendo a própria vida mudar graças à mulher. De temperamento forte, um dia ela disse ao marido que não queria mais que ele fosse garçom, profissão que exercia à época. Decidida, falou ao esposo que iria sustentar a família como bordadeira para que José pudesse se dedicar aos estudos e passar num concurso. E deu certo: o ex-garçom acabou aprovado na prova para ser fiscal do Ministério do Trabalho.
Família reunida em Cuiabá: filhos, netos, bisnetos e tataraneto. (Foto: Carolina Holland/G1)

Família reunida em Cuiabá: filhos, netos, bisnetos e tataraneto. (Foto: Carolina Holland/G1)


Vaidosa, dona Nympha usa maquiagem, se veste bem e pinta as unhas. E é 'boa de garfo', dizem os filhos. "Ela acorda de madrugada e pede pra alguém levar comida, dizendo que está com fome", entrega a filha mais velha, a chef Edna Lara, de 73 anos. Mas a idosa não come qualquer coisa. Todas as refeições preparadas no apartamento têm que passar pelo crivo rígido da anciã. E os bisnetos garantem que ela não fica sem tomar pelo menos um copo de refrigerante gelado por dia.

"Mamãe tem muita saúde. É um privilégio que Deus deixou com a gente de poder conviver com essa pessoa maravilhosa. Minha mãe não toma remédio pra nada. O único remédio dela é água", conta Enir Moreira.

 

Edna Lara conta que a mãe sempre foi carinhosa com os filhos, mas também nunca deixou de cobrá-los- - dizia principalmente que não queria que eles ficassem preguiçosos. "A educação foi rígida sim, mas hoje damos graças a Deus por isso. Todos os filhos são bem-sucedidos. Ela é um exemplo a ser seguido por muitas mães", afirma.

 

Religiosa, dona Nympha diz que não cabe a ela dizer quanto anos ainda quer viver. "Deus é quem sabe da minha vida. Não eu", disse.


Bisneto
Um dos 25 bisnetos, Matheus Henrique Moreira Rodrigues, 12 anos, diz que nenhum dos amigos dele de 
escola acreditam que a bisavó dele tem mais de 100 anos. "Eles acham inacreditável. Como eles não têm, acham que ninguém tem", conta. O garoto diz que tem muito orgulho da idosa, com quem costuma passar os finais de semana.


"Ela vai contando histórias enquanto eu faço massagem nela. É uma pessoa muito boa, esperta, bem-humorada. Nós rimos muito juntos", disse.

 

 

 

 

Carolina HollandDo G1 MT