02/04/2015 - Policia Civil indicia 290 e desarticula Comando Vermelho de MT

O término das investigações da Operação Grená - parte II, da Polícia Civil, resultou no indiciamento de 290 pessoas suspeitas de pertencer a uma facção criminosa denominada "Comando Vermelho de Mato Grosso", o CV-MT, que ordena crimes de dentro da presídios de Mato Grosso.

Na conclusão das investigações, a Polícia Civil indiciou 14 líderes da organização criminosa, uma mulher apontada como colaborada - mas que não é filiada ao CV-MT - e 275 membros, cujos nomes estão em lista como filiados e "batizados" pela organização criminosa.

Eles integram a base da pirâmide do Comando e estão associados para prática ou apoio a crimes, a mando da organização. 

Os 290 indiciados responderão por crimes da Lei do Crime Organizado (promover, constituir, financiar ou integrar, pessoalmente ou por interposta pessoa, organização criminosa"

As investigações apontam, entre líderes, Sandro da Silva Rabelo, conhecido também por “Sandro Louco”, considerado um dos organizadores da facção mato-grossense, juntamente com Renato Sigarini, conhecido por “Vermelhão”, Miro Arcângelo Gonçalves de Jesus, o “Miro Louco” ou “Gentil”, e Renildo Silva Rios, conhecido por “Nego”, “Negão” ou “Liberdade.

Eles terão as penas agravadas por estarem no topo da pirâmide, na função de líderes. Todos estão presos em presídios da Capital.

"Todos serão processados criminalmente e poderão ser condenados por simplesmente integrarem uma facção criminosa", disse o delegado Flávio Henrique Stringueta, titular do GCCO.

Associação

Conforme o delegado, o simples fato de integrar uma organização criminosa, pessoalmente ou por outra pessoa, um ‘padrinho’ por exemplo, já é suficiente para enquadrar a pessoa filiada à facção criminosa ao tipo penal.

"Logo, todos aqueles que se filiaram à facção criminosa, enquadram-se perfeitamente nesse tipo penal e por isso, foram indiciados", afirmou. 

Além dos integrantes, àqueles que "promovem" ou colaboram com os objetivos organização criminosa, sem a ela se filiar, em uma espécie de parceria com a facção para o cometimento de crimes, promovendo assim as ações da organização, também podem ser responsabilizados dentro do artigo penal, como aconteceu com a mulher que foi tida como colaboradora e por conta disso foi indiciada no artigo 2ª combinado com o parágrafo 2º e 4º da Lei 12. 850/2013. 

O CV-MT conta com membros em diversas unidades prisionais no Estado de Mato Grosso, especificamente em Raios e Alas reservados aos reeducandos mais perigosos.

A facção mantém controle sobre seus membros e os atualiza quanto às decisões tomadas pelo comando da facção. 

A operação

Na primeira fase da operação, deflagrada em 30 de abril de 2014, foram indiciados 24 membros.

Ao todo, nas duas etapas, foram indiciados 314 integrantes e colaboradores, todos responsabilizados pelo crime de integrar a facção criminosa.

Este é considerado maior número de pessoas indiciadas dentro da Polícia Civil de Mato Grosso.

 

 

Adilson Rosa 
Da Redação

Comentários

Nenhum comentário encontrado.

Novo comentário