02/06/2013 - Demarcação gera conflito em 212 áreas

Levantamento feito pelo Conselho Indigenista Missionário (Cimi) aponta 212 áreas rurais cujos moradores enfrentam conflito entre índios e produtores rurais devido ao processo de demarcação de terras indígenas, que podem transcorrer décadas. 

 

Segundo o Cimi, os conflitos se agudizam em duas fases: quando a Fundação Nacional do Índio (Funai) reconhece a petição indígena e inicia o processo de identificação do território; e quando declara, após análises técnicas, que a terra deve mesmo ser entregue aos índios.

 

A Funai tem registradas atualmente 150 áreas em processo de identificação; e outras 62 já declaradas, totalizando 212.

Em Mato Grosso do Sul existem seis áreas cujo processo de está paralisado.

 

Na última quinta-feira (30), o cumprimento de ordem judicial para retirar índios que ocupam ilegalmente a fazenda Buriti levou à morte do índio Oziel Gabriel e deixou quatro policiais feridos no Mato Grosso do Sul .

 

Escrito por Blog do Cláudio Humberto

Comentários

Data: 03/06/2013

De: Rogério

Assunto: INVASÕES

Acho engraçado que o CONSELHO INDIGENISTA MISSIONÁRIO esteja preocupado com os conflitos, segundo consta, esse órgão é o maior incentivador das invasões de terras particulares pelos índios.
Falam de critérios técnicos, que critérios foram os usados aqui no posto da Mata, só se foi o critério sorrateiro, com falsificação de documentos que deslocaram a área inicial, e finalizou com a desapropriação de milhares de pessoas trabalhadoras, que hoje são sem terra e sem teto.

Novo comentário