02/06/2016 - Perdas no milho podem levar municípios de Mato Grosso à 'Situação de Emergência'

As perdas nesta 2ª safra do milho 2015/2016 em Mato Grosso podem ultrapassar 50% em alguns municípios. Localidades como Primavera do Leste e a região do Vale do Araguaia já solicitaram decreto de "Situação de Emergência" diante as perdas verificadas neste início de colheita do cereal. Até o dia 26 de maio o Estado havia colhido 1,11% dos 4,245 milhões de hectares semeados no atual ciclo.

A preocupação vivida pelos produtores mato-grossenses com a soja nesta safra 2015/2016 segue com o milho. A falta de chuvas no período do desenvolvimento da cultura em Mato Grosso deverá encolher em cerca de 5 milhões de toneladas a produção, em comparação a safra 2014/2015, de 26,199 milhões de toneladas para 21,244 milhões. A retração é apontada pelo Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea) em sua sétima estimativa de safra do milho. Segundo o relatório, ao se comparar com as estimativas de abril a queda é de 23,09 milhões para 21,24 milhões de toneladas.

Conforme o Imea, a produtividade média constatada é de 83,4 sacas por hectare, reajuste negativo de 8% em relação à estimativa de abril.

Em alguns municípios, como Primavera do Leste, houve ausência de chuvas em abril e maio. Em Primavera do Leste, por exemplo, a chuva voltou no último final de semana, registrando no sábado, 28 de maio, em torno de 40mm.

A quebra, conforme o diretor-técnico da Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja-MT, Neri Ribas, é maior do que se imaginava em termos de produtividade para esse início de colheita. Ribas revelou ao Agro Olhar que diversos municípios estão solicitando decreto de “Situação de Emergência” devido a situação. O mesmo ocorreu com a soja.

O Decreto de Situação de Emergência pode garantir reparações legais aos produtores rurais quanto ao cumprimento de seus compromissos com compradores e bancos financiadores, por exemplo, pois trata-se de um prejuízo provocado por questões climáticas.

“Ainda não sabemos qual será a dimensão desta quebra. Estamos no começo dos trabalhos de colheita, porém o que já é constatado têm preocupado e muito os produtores”, comenta Neri Ribas.

Preços

Mato Grosso fechou maio com uma média de R$ 34,68 a saca de 60 quilos de milho. No mercado nacional a média ficou em R$ 45,58. O preço constatado em Mato Grosso é superior aos R$ 15,24 de maio em 2015.

Nesta quarta-feira, 1º de junho, os preços variam de R$ 31,60 em Ipiranga do Norte e R$ 37,70 em Alto Araguaia.

O diretor-técnico da Aprosoja salienta que os preços verificados no mercado interno são decorrentes as especulações de mercado diante situação constatada neste começo de colheita. Outro ponto para os “altos” preços, como verificado pela reportagem, é quanto à “escassez” do cereal no mercado disponível no Brasil.

 

 

 

Viviane Petroli/Agro Olhar

Edição para Agua Boa News, Clodoeste Kassu

Comentários

Nenhum comentário encontrado.

Novo comentário