02/09/2014 - Chuva e vento derruba telhas na parte nova do aeroporto Marechal Rondon

Depois de uma forte onda de calor, com as temperaturas batendo os 40º na sombra,  a chuva chegou e provocando estragos no Aeroporto Internacional Marechal Rondon, em Várzea Grande, causando problemas para os passageiros que aguardavam seus voos e para quem estava desembarcando.

 
A chuva que caiu no final da tarde desta segunda-feira, aliada a ventos fortes destruiu boa parte do telhado da parte nova do aeroporto – inaugurada em maio e que deveria mostrar resistência. Funcionários e passageiros levam um grande susto com as telhas voando e a chuva caindo no saguão recém inaugurado. 
 
O problema acabou provocando atrasos no embarque de passageiros, que não conseguiram fazer o chek-in para embarque nos voos nacionais. Quem estava chegando no horário da chuva se viu obrigado a ficar por longo tempo na sala de espera, pois não dava para deixar o aeroporto com as telhas caindo e batendo em vários carros que estavam estacionados nas proximidades. A parte interna, próximo ao pátio das aeronaves também houve queda de parte do telhado.
 
A Infraero responsabilizou o consórcio que realizou as obras da parte nova do aeroporto pelos danos, uma vez que o telhado da parte velha, ao lado não sofreu nenhuma problema. Já a assessoria do consorcio se defendeu informando que a empresa já havia avisado a Infraero quer o projeto enviado para a construção do telhado tinha problemas e poderia ocasionar queda de telhas.
 

A reforma e ampliação do Aeroporto Marechal Rondon é mais uma das obras concebidas para a Copa do Mundo que se encontram sem terminar. Os trabalhos foram suspensos com o fim do prazo do contrato assinado com o consórcio responsável, que ainda não conseguiu concluir frentes de trabalho essenciais do projeto. As empreiteiras pediram mais 120 dias de prazo.

 

A Infraero afirma que já investiu R$ 98,68 milhões nas obras do aeroporto, mas a responsável pelo contrato é a Secopa, cujo portal informa um valor original das obras de R$ 77,2 milhões. A licitação foi vencida pelo Consórcio Marechal Rondon, formado pelas empreiteiras Engeglobal, Farol Empreendimentos e Multimetal.

 

Ainda estão pendentes as instalações de sistemas eletrônicos em dois setores, duas pontes de embarque, o sistema de água potável, a via de acesso da estação de tratamento de esgoto, a rede de esgoto e os estacionamentos, tanto do terminal de passageiros quanto do prédio administrativo.

 

Falta concluir a operacionalização da sala de embarque internacional, a instalação da quarta esteira de bagagens e a reforma do atual terminal de passageiros.

 

 

 

Jonas Jozino e Valdemir Roberto

 

Comentários

Nenhum comentário encontrado.

Novo comentário