03/02/2011 12h:08 Araguaia sem representante - Nortão tem sete

A maior representatividade na Assembleia Legislativa é do Norte mato-grossense que conta com nada menos que sete deputados, Mauro Savi e José Domingos (ambos de Sorriso), Romoaldo Júnior e Ademir Bruneto (os dois de Alta Floresta), Baiano Filho e Dilmar Dal Bosco (de Sinop) e Nilson Santos (Colíder).

 A região Sul do Estado possui quatro deputados, todos eles com domicílio em Rondonópolis: Percival Muniz, Sebastião Rezende, Jota Barreto e Teté Bezerra, que tornou-se secretária de Turismo e, com isso, cedeu sua vaga na AL ao suplente Ondanir Bortolini, o Nininho.

 O reduto eleitoral da Baixada Cuiabana, em termos de votos, declina de modo vertiginoso e conta com seis parlamentares na AL, Luiz Marinho (PTB), Walter Rabello (PP) e ainda os reeleitos Sérgio Ricardo (PR), Guilherme Maluf (PSDB), João Malheiros (PR), que foi nomeado secretário de Cultura de Silval Barbosa e abriu vaga para outro cuiabano, Emanuel Pinheiro (PR), e Walace Guimarães, de Várzea Grande.

O Médio-Norte garantiu a reeleição de Wagner Ramos (PR), enquanto o Leste emplacou Zeca Viana e ainda terá Luizinho Magalhães, que entra no lugar de Azambuja, ambos de Primavera do Leste.

Cáceres não garantir uma vaga sequer, enquanto a região Oeste ganhou força no Legislativo estadual com as reeleições de Airton Português (Araputanga), Antonio Azambuja (Pontes e Lacerda) e Ezequiel da Fonseca (Reserva do Cabaçal). O Vale do Arinos passa a ter dois deputados: José Riva (PP), que preside a AL  e a estreante Luciane Bezerra (PSB).

O Vale do Araguaia fica, neste governo, sem representante. A ausência de um ou mais nomes com assento na AL não terá sido por falta de candidatos. Só em Barra do Garças, cujo colégio eleitoral ultrapassa a 40 mil votos, disputaram Professor Kiko, Miguel Moreira (Migulão), Cândido Teles, Leandro Soares, Daltinho e Birosca. Nenhum deles foi eleito.

A principal expressão eleitoral ficou para Adalto de Freitas – Daltinho (PMDB) que saiu das urnas com mais de 17 mil votos, é suplente e parece ter ficado fora do staff de governo de Silval Barbosa.

A expectativa de seu partido, o PMDB, no município e da comunidade de um modo geral era a de que Daltinho assumisse pelo menos uma Secretaria de Estado. Outros nomes de expressão eleitoral puxaram votos para a eleição de Silval Barbosa no Araguaia, um colégio eleitoral de 240 mil votos que não possui um único representante.

    

DA REDAÇÃO/COM RDNEWS

Arte: Portal RD News