03/02/2016 - Defesa de Nadaf cita 'perseguição' e questiona se todo ex-governador será preso

03/02/2016 - Defesa de Nadaf cita 'perseguição' e questiona se todo ex-governador será preso

“A sociedade sabe e essa situação está chegando à  raia de perseguição, absolutamente incompreensível”. Essa é a definição do advogado Alexandre Abreu que atua na defesa de Pedro Nadaf, ex-secretário chefe da Casa Civil na gestão Silval Barbosa (2011/2014). A afirmação foi pontuada na manhã de hoje, 2, um dia após um novo decreto de prisão contra Nadaf, dessa vez pela acusação de envolvimento em fraudes da ordem de R$ 7 milhões envolvendo a venda de uma área já pertencente ao Estado. Nadaf e o ex-gestor de Mato Grosso, Silval Barbosa estão presos desde setembro de 2015. 

Ele ainda questionou se a assinatura de um decreto irá levar para cadeia todo ex-governador e ex-presidente da República.

Na manhã de hoje, 2, Nadaf foi levado a prestar depoimento, mas deixou a sede do Gaeco por volta das 14h, cerca de cinco horas depois. Questionado sobre as acusações, ele reservou-se ao direito de permanecer calado.

Leia Mais:
Coronel aposentado da PM é levado para sede do Bope; juíza detalha participação

O advogado citou nesta data, em frente ao Grupo de Atuação e Combate ao Crime Organizado que seu cliente foi citado formalmente quanto ao novo decreto de prisão às 21h30 de segunda-feira, 1, pouco após ser encerrada oitiva da operação Sodoma, que apura a venda de incentivos fiscais na ordem de R$ 2,6 milhões.
 
Abreu declarou que irá estudar o processo para poder tecer considerações, mas antecipou que não é plausível que a assinatura de um decreto possa subsidiar uma ação. “Coloco isso para vocês... Se uma autoridade assinada um decreto, seu dever. É realmente uma coisa absolutamente temerária e complicada. Todo  ex-presidente da República, todo ex-governador estaria preso...Nadaf está sem saber o que está acontecendo. Nós não podemos imaginar que alguém nesse país pode ser preso porque assinou um decreto, um ato administrativo”, avalia.
 
Quanto aos reiterados pedido de liberdade negados eles questiona: “por qual motivo não  querem soltar eles? Na pior das hipóteses... não podem  acompanhar esse processo em regime domiciliar ou com emprego de tornozeleira... O que tanto sabem que precisam ficar presos? É isso o que precisamos saber. Digo isso com tranquilidade e conheço poucas pessoas em Mato Grosso, não sou daqui, e posso falar com total isenção”...
 
Ele ainda afirmou que os envolvidos, desde o ano passado com a oeração Sodoma (que apura supostas fraudes na concessão de incentivos fiscais em Mato Grosso) já entregaram os passaportes e não há intenção para fuga.
 
“O passaporte está depositado desde setembro e não há interesse em fugir. Não  têm interesse e vão ficar aqui de cabeça erguida".
 
Entenda
 
Operação Seven
 

De acordo com o Gaeco, no ano de 2002, o empresário e médico  Filinto Correa da Costa, 73 anos, negociou com o Governo do Estado uma área de aproximadamente 3,240 hectares pelo valor de R$1,8 milhões. Ocorre que, no ano de 2014, 727,931 hectares dessa mesma área foram novamente vendidas ao Governo, dessa vez pelo valor de R$7 milhões. A operação foi desencadeada no dia 1º fevereiro e levou o médico Filinto Correa da Costa a utilizar tornozeleira eletrônica. 

Para dar legitimidade a transação, o ex-governador Silval Barbosa, contrariando dispositivos legais expressos, transformou a unidade de conservação do tipo “parque” em unidade de conservação do tipo “Estação Ecológica”. Nesses casos a legislação federal não exige a realização de estudos técnicos ou audiências públicas. O esquema contou com a participação do ex secretário da Casa Civil  (Nadaf) e do ex presidente do Intermat, Afonso Dalberto, além do ex-secretário adjunto de Fazenda, coronel PM José Cordeiro. 
 
Operação Sodoma

 
Deflagrada em setembro de 2015 pela Polícia Civil levou  às prisões de Silval Barbosa e do ex-secretários Marcel de Cursi e Pedro Nadaf.  Os três, segundo a denúncia do MPE, orquestraram um esquema para a venda de incentivos fiscais (da ordem de R$ 2,6 milhões).

 

 

 

Da Redação - Patrícia Neves/Wesley Santiago

Comentários

Nenhum comentário encontrado.

Novo comentário