03/03/2011 16h:34 Movimento Mais Araguaia critica Associação de Fazendeiros e exige solução para isolamento

Revoltados com os prejuízos provocados pelas condições precárias das estradas, integrantes do Movimento Mais Araguaia exigem atitude da Associação dos Fazendeiros do Araguaia e Xingu (ASFAX) em busca da solução para o caos que está instalado na região.
 
Presidida pelo pecuarista Carlos Alberto de Oliveira Guimarães (Carlito), a Asfax recebeu o maquinário no dia 09 de junho de 2009 com a responsabilidade de garantir a manutenção das estradas. “O presidente nos deu a esperança de renovação ao criticar a gestão anterior da associação que não soube valorizar as riquezas e solucionar os problemas da região na época”, reclama Weverton Zanon, membro do Movimento Mais Araguaia.
 
Ele questiona porque que a ASFAX não intercede junto ao governo do estado para que medidas imediatas sejam adotadas a fim de garantir a trafegabilidade nas estradas do Xingu e Araguaia. “Admiro muito a ASFAX ter assumido compromissos com a região, inclusive de transforma-la num grande celeiro do país”, diz indignado, lembrando que o presidente Carlito Guimarães chegou a bater no peito bradando que outros municípios iriam ficar até preocupados com o desenvolvimento da região.
 
Carlito teria reconhecido ainda, ao receber o maquinário, e a situação das estradas do Xingu era uma vergonha nacional e que iria selecionar os melhores profissionais da área para trabalhar com os maquinários.
 
“Pergunto então: Onde estão os melhores profissionais contratados? Onde estão as máquinas? Estão bloqueadas pelo governo? Porque não entram com pedido de liberação como foi feito na região de Juína? Foi convocada pela ASFAX alguma reunião com os produtores da região para discutir o problema? São tantas as perguntas que necessitam de respostas, mas essas são as mais simples e corresponde a indagação deste povo do Vale dos Esquecidos”.
 
Por iniciativa própria Weverton Zanon, que é comerciante em Ribeirão Cascalheira, conversou com grande parte dos produtores daquela região e eles estariam dispostos a arcar com as despesas de refeição, óleo diesel e lubrificante necessários para manutenção imediata daquela região, de inicio (uma meia sola) principalmente no trecho do Posto do Arnô aos Baianos.
 
Ida Aguiar
Blog Sandra Carvalho