03/09/2015 - Taques afirma que PSDB quer filiados "de qualidade" em MT

O governador Pedro Taques (PSDB) defendeu a comissão que a cúpula regional vai criar para avaliar a filiação de lideranças políticas. 

Para ele, é preciso que o partido cresça sem inchar. Na prática, isso deve levar o PSDB a recusar a filiação de determinadas lideranças.

“Hoje, em detrimento da quantidade, as democracias mais modernas buscam a qualidade de seus quadros. Não queremos inchar o PSDB, mas, sim, que ele tenha um crescimento razoável, como um partido forte exige e deseja”, disse.

O governador afirmou, ainda, não ter uma previsão de quantos novos filiados a legenda deve receber em Mato Grosso. 

Em relação aos prefeitos, a previsão inicial da executiva regional era da adesão de mais quatro gestores. No entanto, nos bastidores, a informação é de que o número passe de 20 prefeitos.

Atualmente, o PSDB comanda apenas as prefeituras de Bom Jesus do Araguaia (983 km a Nordeste de Cuiabá), com Joel da JM, e Araguaiana (563 km a Leste), comandada por José Marra.

“Ainda não tenho essa previsão do número de prefeitos. Estou focado na administração do Estado, e vou participar apenas de algumas reuniões à noite e aos sábados. Mas temos uma comissão que está sendo construída pelo PSDB para resolver isso”, afirmou Taques.

O partido ainda espera a filiação de ao menos três deputados estaduais. Entre os cotados para a troca estão Pedro Satélite (PSD), Dilmar Dal’Bosco (DEM) e Leonardo Albuquerque (PDT).

Tucanos no Governo

O governador Pedro Taques ainda negou a possibilidade de entregar secretarias aos tucanos.

O partido, hoje, comanda apenas a Secretaria de Educação, com Permínio Pinto. 

“Não estamos pensando em mudança de secretariado agora. Eu entrei no PSDB, mas o PSDB não irá dominar o Governo”, disse.

A comissão

A criação de uma comissão para avaliar a filiação de lideranças políticas foi anunciada na segunda-feira (31) pelo líder do Governo na Assembleia Legislativa, Wilson Santos (PSDB).

O deputado afirmou que, em várias situações, a tendência é que o PSDB recuse a filiação de determinadas lideranças. Isso, em função, de características políticas das regiões dos interessados.

“Queremos que o partido cresça, mas não fique inchado. Para tanto, estamos definindo critérios para que algumas novas filiações passem pelo crivo de uma comissão, a ser formada por deputados estaduais e membros da executiva tucana”, disse.

 

 

Douglas Trielli 

Da Redação

Comentários

Nenhum comentário encontrado.

Novo comentário