03/10/2014 - Ibama monitora a desova de tartarugas-da-amazônia

Goiânia (01/10/2014) – No último mês de setembro, as superintendências do Ibama em Goiás e Tocantins bem como a Diretoria de Uso Sustentável da Biodiversidade e Florestas (DBFlo), na sede, em parceria com a UEG/Itapuranga/Ladiz, reiniciaram o monitoramento de desova de tartarugas-da-amazônia.

Já foram vistoriadas em torno de 30 praias no rio Crixás-Açu e outras 50 serão vistoriadas no rio Araguaia, ambos em Goiás. O monitoramento se estenderá ao longo do mês de outubro. Até o momento, pelo menos, mil ninhos já foram identificados em 22 praias e a expectativa é que pelo menos três mil desovas ocorram nos trechos monitorados.
 
Durante todos os dias, os trabalhos são iniciados pela madrugada, horário da desova, quando, nas praias, são identificados os novos ninhos e a quantidade de tartarugas. É realizada a captura e a marcação das fêmeas após a desova, a biometria (com a pesagem e medidas de comprimento e largura) e a contagem do número de ovos. Foi constatado que fêmeas maiores, geralmente, botam mais ovos, o que indica a importância da proteção dos maiores indivíduos. Esta marcação permitirá verificar o comportamento da desova e a migração posterior destes animais. Neste período, tartarugas desta espécie se agrupam próximo às praias de desova, facilitando sua captura para o uso ilegal.
 
O uso e o consumo de quelônios amazônicos e seus ovos é comum por parte da população ribeirinha. No estado de Goiás, as espécies mais utilizadas são o tracajá (/Podocnemis unifilis/) e a tartaruga-da-amazônia (/Podocnemis expansa/).
 
O uso indiscriminado das espécies gerou uma preocupação nas autoridades, o que fez com que as espécies fossem incluídas no anexo II da Cites em 1975. Em 1979, o governo federal criou o Projeto de Proteção e Manejo dos Quelônios da Amazônia, coordenado atualmente pelo Ibama e pelo ICMBio e renomeado para Programa Quelônios da Amazônia (PQA). A fiscalização da pesca ilegal também é realizada pelos agentes de fiscalização durante este período. A presença do Ibama na região é muito importante, pois reduz a possibilidade de que ocorram crimes ambientais.
 
 
Escrito por Mirza Nóbrega Ascom/Ibama/GO

Comentários

Data: 03/10/2014

De: Jorge Bogéa

Assunto: Tartaruga

Parabéns aos técnicos do IBAMA. Fui coordenador do Projeto tartaruga do Araguaia durante 9 anos. A nossa equipe realizou a soltura de 172 mil filhos em condições de sobrevivência.
Todo esse trabalho foi realizado pela Funai/Brasília e Funai de São Félix do Araguaia - MT.

Novo comentário