03/10/2015 - “É compromisso do Governo terminar a obra do VLT”, diz Fávaro

O vice-governador Carlos Fávaro (PSD) afirmou que o governador Pedro Taques (PSDB) irá concluir a obra do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT), que está paralisada desde dezembro do ano passado.

 

“Há um compromisso do Governo do Estado em terminar essa obra. Com certeza, o VLT será concluído, será entregue”, disse Fávaro, em entrevista a jornalistas, nesta sexta-feira (2).

 

Antes de retomar os trabalhos, no entanto, ele disse que o Estado aguardará os resultados de uma consultoria especializada, a ser contratada pelo Governo e que irá detalhar, entre outros pontos, a viabilidade financeira do modal.

Também será possível saber, por meio deste estudo, a estimativa de demandas de operação durante os próximos 20 anos, a proposta de integração do modal à matriz de transporte coletivo urbano de Cuiabá e Várzea Grande, bem como o cronograma de desembolso do Estado para implantação do modal.

 

“O estudo não é apenas para concluir a obra. Por meio dele, será possível quantificar o que foi feito, quanto é necessário para concluir e o que é mais importante: quem vai fazer e quem vai operar, ou seja, qual modelo de operação será utilizado”, afirmou Fávaro.

 

Os resultados dessa consultoria, segundo o vice-governador, deverão ser conhecidos até o final deste ano.

 

Embora afirme ser necessário aguardar o resultado da consultoria, Fávaro disse acreditar que a melhor alternativa para a conclusão da obra seria por meio de Parceria Pública Privada (PPP).

 

“Acho que é mais lógico o Estado conceder a obra à iniciativa privada, a partir do que está pronto. Isso já é um grande subsídio para a passagem, por exemplo”, disse

 

“É como um copo com água até a metade: nem está cheio, nem vazio. Acho que cabe ao Governo dizer assim: complete o copo e beba a água por 30 anos. Quem ganhar a concessão vai ter direito de explorar a obra. E quem ganhar, não gastou nada até aqui, isso já é um grande subsidio”, completou.

Consultoria

 

A contratação de consultoria especializada para a obra do VLT foi autorizada pela Justiça Federal, no dia 25 de agosto.

 

No parecer dado pelo juiz da 1ª Vara Federal, Ciro José de Andrade, também foi determinada a suspensão das obras durante o prazo de 120 dias, mesmo período em que serão realizados os estudos técnicos sobre o modal.

 

Os primeiros relatórios da consultoria deverão ser apresentados pela empresa 45 dias após o início dos estudos. Já a análise final tem prazo de 120 dias para ser conclusa e entregue ao Estado.

 

A obra

 

O Consórcio VLT Cuiabá-Várzea Grande, responsável pela obra, é formado pelas empresas Santa Bárbara, CR Almeida, CAF Brasil Indústria e Comércio, Magna Engenharia Ltda. e Astep Engenharia Ltda.

Orçado em R$ 1,477 bilhão - valor que pode chegar a R$ 2,2 bilhão, segundo as empresas responsáveis -, o contrato prevê a implantação do VLT na Grande Cuiabá prevê a instalação do modal, a construção dos vagões e de 12 obras de arte.

 

A obra foi iniciada em agosto de 2012 e - após ser suspensa pela Justiça por pelo menos duas vezes -, foi paralisada por determinação do Governo do Estado em dezembro de 2014.

 

Para retomar as obras, o consórcio pede um reajuste de cerca de R$ 400 milhões, além do valor previsto em contrato. Até o momento, já foram pagos pouco mais de R$ 1 bilhão.

 

 

 

Camila Ribeiro

 Da Redação

Comentários

Nenhum comentário encontrado.

Novo comentário