03/11/2012 - Piloto do avião que bateu na serra do Roncador pediu ajuda antes de acidente em serra de MT (veja fotos)

O piloto do bimotor que colidiu na serra do Roncador, entre Chapada dos Guimarães e Nova Brasilândia (65 e 210 km de Cuiabá - respectivamente), chegou a pedir ajuda no Aeroporto Marechal Rondon. No acidente, ocorrido no final da tarde de quinta-feira (1º), morreram, além do piloto, o copiloto da aeronave e dois engenheiros civis da Secretaria Estadual de Transporte e Pavimentação Urbana (Setpu). 

O pedido de ajuda foi por meio do rádio, quando o piloto Thiago Santoro disse para os operadores da torre de controle do aeroporto que estava com problemas. Ele tentava pousar em uma mata aberta, mas não conseguiu e bateu no paredão.

De acordo com a Polícia Civil, o sinal do avião parou de ser transmitido logo em seguida. Um morador da região ouviu o barulho e tentou encontrar a aeronave, mas não conseguiu e ligou para o Corpo de Bombeiros. Na hora do acidente chovia muito e ventava bastante, conforme informação da população. 

“O morador que ouviu o barulho nos auxiliou a encontrar o local onde o avião colidiu com o paredão. Nós começamos as buscas por volta das 4 horas e localizamos o avião às 06 horas”, detalhou o sargento do Corpo de Bombeiros Adilson de Arruda.

Para resgatar os corpos foi preciso a participação de cerca de 30 militares. A primeira vítima foi retirada do local do acidente às 14h20 de sexta-feira (1º). Policiais militares, civis, Corpo de Bombeiros e moradores da região ajudaram no resgate, que foi feito por meio de rapel. 

Fragmentos do bimotor ficaram espalhados pelo local. Parte de uma das asas e o tanque de combustível foram encontrados cerca de 500 metros de onde estavam os corpos. As causas do acidente serão apuradas pela Aeronáutica.

Morreram no acidente Thiago Santoro, Vilcione Pereira de Almeida (piloto e copiloto – respectivamente) e os engenheiros civis Orlando Monteiro da Silva, 58 anos, e Sidney Benedito Nunes, de 57.

Edivaldo Nunes, sobrinho de Sidney, que acompanhou o resgate, disse que o pouso do avião estava previsto para às 17 horas de quinta-feira (1º) em Cuiabá. A falta de contato do engenheiro civil com a família despertou a preocupação. “Quando ligamos para saber sobre o voo fomos informados do acidente. Meu pai [irmão da vítima] pediu para eu acompanhar o resgate”, contou Edivaldo. 

Os ocupantes da aeronave seguiam de Confresa para Cuiabá. Os servidores da secretaria viajavam a trabalho e tinham participado de uma reunião com a Associação dos Produtores Rurais da MT 322. 

Piloto pede proteção de Deus durante os voos 

Em sua página pessoal no Facebook, o piloto Thyago pede para Deus acompanhá-lo em cada voo. "Pai nosso que estais no céu tão perto do meu avião. Proteja-me! Esteja comigo a cada pouso e decolagem! O Senhor é meu horizonte que brilha na imensidão do céu iluminando a minha cabine. Em Ti eu confio as minhas asas e enquanto não for a hora da minha partida, deixai-me voar de volta para os braços das pessoas que amo! E no dia que chegar a hora de partir, que estas saibam que não morri, porque aviadores não morrem, aviadores voltam ao céu por outras asas! Amém"

 

Da Redação - Victor Cabral

Comentários

Nenhum comentário encontrado.

Novo comentário