03/11/2014 - Mato Grosso revela contraste do governo Dilma

Dilma Rousseff (PT) obteve 45,33% dos votos no Estado; Aécio venceu com 54,67%

 

As ações desempenhadas pela presidente Dilma Rousseff (PT) à frente do Palácio do Planalto nos últimos quatro refletiram no maior e no menor índice de votação da petista nos municípios do estado de Mato Grosso. 


Enquanto ela chegou ao ápice de aprovação no município de Barão de Melgaço, com 76,61% dos votos, em Alto da Boa Vista perdeu disparado para seu adversário, o senador Aécio Neves (PSDB). 


Esta última cidade foi a que apresentou maior índice de votação em prol do tucano tanto no primeiro quanto no segundo turno das eleições. No primeiro, inclusive, chegou a ser o município em que o senador teve o maior número de votos de todo o Brasil. 


No segundo turno, ele garantiu 1.758 votos, o equivalente a 84,32% dos eleitores da cidade, contra apenas 15,68% da presidente petista, que angariou somente 327 votos. 

Conforme o prefeito de Alto da Boa Vista, Liozipe Domingos Gonçalves (PMDB), a baixa aprovação de Dilma nas urnas se deveu ao episódio Marãiwatsédé. 


A maioria das famílias expulsas da Gleba Suiá-Missú, que foi considerada terra indígena, reside no município. Por não serem índios, os moradores da gleba foram obrigados a sair da área, que se transformou em reserva indígenas Marãiwatsédé. 


Marãiwatsédé é uma área de mais de 165 mil hectares entre os municípios de Alto da Boa Vista, São Félix do Araguaia e Bom Jesus do Araguaia demarcada pelo governo federal como terra indígena xavante, mas disputada também por posseiros estabelecidos na região. 


Após longo processo judicial, a Justiça decretou a retirada dos posseiros com auxílio de forças militares nacionais, ação iniciada no final de 2012 e encerrada em 2013. 


Ao fim, o governo se comprometeu a assentar as famílias dos pequenos produtores rurais desalojados. Em janeiro deste ano, parte dos posseiros expulsos chegou a tentar reocupar a área, mas sem sucesso. 


A grande mágoa dos moradores é que foi no governo do PT que eles foram obrigados a deixar a área onde sempre viveram. Pessoas perderam tudo, crianças foram obrigadas a deixar sua escola e as casas, derrubadas pelos índios. 


Além dessa perda, os moradores culpam o governo federal por prometer levá-los para uma área semelhante em outro lugar. Mas ficou só na promessa. 


“A presidente Dilma tem muito serviço prestado aqui no município, mas este episódio superou tudo de avanço positivo que ela trouxe. Este processo todo começou no governo do presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB), mas quem executou foi a presidente Dilma. Muitas famílias ainda estão amedrontadas e traumatizadas com tudo que aconteceu. O povo ainda continua desamparado. Sem dúvida, isto foi o fator que levou ela a não ter votos aqui no município”, pontua o prefeito. 


Em contrapartida, em Barão de Melgaço Dilma obteve mais de três mil votos, garantindo 76,61% de aprovação. O senador tucano, por sua vez, teve 925 votos (23,39%). 

O prefeito da cidade, Antônio Ribeiro Torres (PMDB), acredita que o alto índice de votação de Dilma no município se deve ao fato de muitas famílias serem beneficiadas do governo federal por meio de programas sociais como o Bolsa Família. 


“Eu atribuo a vitória de Dilma em Barão ao atendimento da área social. Barão é um dos municípios mais carentes do Brasil. Os benefícios concedidos pelo governo federal atendem de mão cheia as famílias da cidade, que, na maioria das vezes, chega a ser a salvação deles”, conta. 


Em Mato Grosso, a presidente petista saiu derrotada, tanto no primeiro quanto no segundo turnos. No primeiro, ela obteve 616.265 mil votos, contra 693.251 de Aécio. Já no segundo, ela garantiu 717.230 mil votos, enquanto o senador tucano angariou 864.999 mil votos.

 

 

 

Kamila Arruda 

Diario De Cuiabá

 
 

 

 

Comentários

Data: 03/11/2014

De: ALTO

Assunto: DILMA

PELO MENOS NÓS TIVEMOS VERGONHA DE NÃO VOTAR EM QUEM NOS PREJUDICOU, SOMOS EXEMPLO PRA O PAÍS, VCS VERÃO ESSE GOVERNO, E O INFERNO QUE VÃO FAZER COM O POVO BRASILEIRO, NÃO NOS CULPE, NOSSA RESPOSTA JA FOI DADA.

Novo comentário