03/12/2015 - Após aprovação da PEC 215, índios da região Norte Araguaia se revoltam contra Estado

03/12/2015 - Após aprovação da PEC 215, índios da região Norte Araguaia se revoltam contra Estado

A aprovação em outubro da PEC 215, que transfere ao Congresso Nacional o poder de aprovar novas demarcações de áreas indígenas, não foi bem aceita por lideranças indígenas do Araguaia - Xingu.

 

“A PEC 215 é uma afronta aos nossos direitos. Dizem que as referidas demarcações seriam participativas e democráticas, mas sabemos que esta proposta é uma estratégia clara da bancada ruralista para não demarcar as terras indígenas e diminuir os tamanhos das nossas terras já demarcadas e homologadas” disparou Matudjo Metuktire, indígena da cidade de São José do Xingu em entrevista ao site Agência da Notícia.

Quando esteve na região do Norte Araguaia o Ministro de Desenvolvimento Patrus Ananias se mostrou contrario à PEC 215 e a favor da população indígena.

 

“Devemos lutar contra esta PEC e preservar os territórios indígenas” disse o ministro, reforçando que existe um sentimento embutido a PEC de quebrar o que o Brasil vem construindo de preservar terras, culturas e tradições indígenas.

 

“Essa é uma grande conquista do Brasil. O Brasil talvez seja o único país do mundo que venha tendo essa conquista. Claro que temos desafios, como temos aqui no Mato Grosso, temos problemas a enfrentar, mas, avançamos muito. Nós temos uma França no Brasil hoje em termos de território indígena. Isso é bom”.

 

Em carta ao site Agência da Notícia a população indígena deixa claro a sua aversão ao governo brasileiro que outra vez deixa a desejar e falha com as minorias.

 

“O Governo e o Congresso precisam respeitar os artigos 231 e 232 da Constituição, que garantem nossos direitos. Exigimos a anulação de todas as portarias, decretos, PL’s e PEC’s que ameaçam e prejudicam os povos indígenas. Nós queremos que a Constituição Federal, que ajudamos a construir, permaneça como está escrita desde 1988.

 

Está escrito que o usufruto exclusivo das riquezas naturais do solo, do rio, da floresta dentro das Terras Indígenas é dos indígenas e não dos brancos. Não aceitamos arrendamento de nossas terras pro branco encher de gado e de soja, como quer a PEC 237/13 que autoriza arrendamento de pasto em Terra Indígena para fazendeiros e empresas de agronegócio. Não aceitamos que as forças armadas invadam nosso território sem a nossa autorização, como prevê o Decreto nº 7.957/2013. O que aconteceu com nosso parente Munduruku, assassinado pelo Estado brasileiro, é uma vergonha inaceitável que não pode se repetir nunca mais. Nós queremos uma FUNAI fortalecida, que trabalhe do lado dos Povos Indígenas e não para os interesses do Governo, grupos políticos, das grandes empresas e dos ruralistas", traz um trecho da carta.

 

 

 

Agência da Noticia

Comentários

Data: 03/12/2015

De: olhar vivo

Assunto: pucha saco de indio

os pucha saco de índio, estão tudo apeda vida , tudo filho da puta pucha saco de índio
agora toma seu puchas

Data: 03/12/2015

De: Rogério

Assunto: PEC 215

A reportagem traz informação distorcida, quando diz que a PEC 215 fora aprovada.
Quem aprovou a PEC 215 foi a Comissão Especial, agora ela vai a votação em dois turnos nas duas casas (Deputados e Senadores), tendo como quórum 3/5 dos votos de cada casa.
A briga ainda está longe de terminar....

Data: 03/12/2015

De: bode vei

Assunto: indios

Ate que enfim acabou a farra das terras indígenas e dessas autarquias fraudulentas e essas ONGs parasitas que só sugam o sangue dos índios em benefícios próprios, vide posto da mata e hoje há la uma comunidade de miseráveis que vive nos subúrbios das cidades adjacentes como mendigos perambulando atrás de carcaças bovinas para terem ao menos proteínas....enquanto suas terras são explorada com bovinos e eles na vida de sempre..abandonados!!

Novo comentário