04/02/2015 - Médicos da rede pública de Cuiabá entram em greve

04/02/2015 - Médicos da rede pública de Cuiabá entram em greve

Os médicos que atuam na rede pública da capital deliberaram em assembleia na noite de hoje, 3, que cruzam os braços em exigência a melhores condições de trabalho e por segurança a partir da próxima segunda-feira, 9. A presidente do Sindicato dos Médicos de Cuiabá, Eliana Siqueira, afirmo ao Olhar Direto que a categoria quer uma negociação direta com o prefeito da capital, Mauro Mendes (PSB).

“Entendemos que essa é a única estratégia para que possamos despertar a atenção  e fazer com que nos apresente uma proposta de verdade. A negociação sempre ficou a cargo dos secretários de saúde, mas queremos um diálogo com o  prefeito”, disse Eliana.

A médica pediatra declarou ainda que a Secretaria Municipal de Cuiabá (SMS) protocolou na última sexta-feira, documento reiterando as dificuldades enfrentadas  e propondo uma reunião para debater as pautas na data de 23 de fevereiro. Ainda conforme a presidente do Sindicato, o documento sugere a instalação de uma comissão para tratar do assunto.”Nessa reunião é que então o número de profissionais seria apresentado, a questão salarial e também concurso seria discutidos”.

A questão salarial é outro ponto elencado pela médica e sindicalista. A categoria cobra o cumprimento do piso da Federação Nacional dos Médicos (Fenam),  que é de R$11.675, pelo Executivo Municipal. Em Cuiabá o salário é de R$ 3,5 mil para 20 horas de serviço e para contratados é de R$ 2,8 mil, mas como os valores são baixos pagam gratificações aos profissionais e os salários chegam a R$ 6 mil, conforme explicação de Eliana.

Segundo Eliana, a categoria suspendeu um movimento de mobilização em prol de melhores condições de saúde a população quando da posse de Mendes. “Demos um voto de confiança e suspendemos uma mobilização de mais de 60 dias”.


Executivo
A assessoria de imprensa da Prefeitura de Cuiabá informou que  na última sexta-feira, 30, a Secretaria Municipal de Saúde (SMS) documento expondo as medidas a serem adotadas, dentro da das reais possibilidades do município, e contendo ainda  respostas aos quesitos elencados pelo Sindicato.  Informou ainda que me caso de paralisação da categoria, o município de Cuiabá possui um plano de contingenciamento para atenção básica. Frisou ainda que o Executivo Municipal obteve liminar favorável obrigando o atendimento em 60% nos postos de Programa de Saúde da Família (PSF) e de 100%  nas policlínicas e Unidade de Pronto-Atendimento (UPA). 

 

 

Da Redação - Patrícia Neves

Comentários

Nenhum comentário encontrado.

Novo comentário