04/04/2014 - Atribuindo o devido valor à produção rural

As pessoas estão cada vez mais preocupadas em se alimentar de forma saudável, em saber de onde vêm os alimentos e como são produzidos. Esta tendência de consumo de alimentos naturais, beneficia em muito a produção artesanal.

 

A elaboração em pequena escala, tem a vantagem de ser feita de uma forma diferenciada, possibilitando flexibilidade para produzir maior variedade e dispensa o uso de produtos químicos tão prejudiciais ao organismo.

 

Na produção industrial de alimentos é alterado artificialmente o sabor, aroma, coloração e para conservação é usada toda a espécie de aditivos químicos. O objetivo é reduzir custos, vender grandes quantidades em embalagens sofisticadas e atrativas, desenvolvida por profissionais especializados em atrair o consumidor.

 

Já na produção artesanal são utilizados equipamentos simples, as frutas e verduras são as cultivadas na propriedade, sendo oferecido um produto de qualidade, mais saudável, feito em pequena escala, onde o “artesão do alimento” pode usar toda sua criatividade para descobrir novas combinações de sabores.

 

Outro aspecto a ser destacado na produção artesanal é a valorização da tradição cultural, quer seja com as receitas passadas de geração em geração e que se identificam com o produtor rural, ou uma receita com característica especial de determinada região, representando uma atração para quem quer conhecer comidas típicas que possuem suas histórias. Quem não tem aquela receita especial secreta, feita pela Vovó e que todo mundo adora? Por que não adaptar e comercializar?

 

 
Boletim Rural N° 1
 
Comercialize tudo que produz na propriedade rural
 
Uma propriedade rural geralmente desperdiça grande parte do que produz e isso pode ser evitado, mas algumas dificuldades precisam ser superadas.
 
A produção de frutas, verduras, ovos, grãos, sucos, geleias, derivados de leite, e doces caseiros, pode ser inconstante e muito diversificada, e pode ser difícil se assumir compromissos de comercialização.
 
Fornecer para consumidores constantes, como hotéis, e restaurantes é ótimo, mas somente quando decorrente da formalização de uma parceria, pois implica num compromisso de fornecimento, certamente viável para os derivados de leite, e produtos gerados de beneficiamento de frutas. 
 
Utilizar o sistema de revenda, em muitos casos, é bastante complicado, face às exigências de ordem legal, tais como embalagem, rótulo com prazo de validade e composição, e registros, tudo justificável, pelo fato do comprador final, no caso da revenda, desconhecer a origem do produto que está adquirindo.
 
Assim sendo, para muitos produtos de origem rural o indicado é a venda para o consumidor final, pois este conhece o fornecedor e pode verificar as condições de como é produzido o que está adquirindo. A venda direta, por e-commerce, pode ser facilmente implantada e permite maior lucratividade ao produtor, pois suprime intermediações.
 
No próximo boletim analisarei os desperdícios de uma propriedade rural.
 
 
Boletim Rural N° 2
 
Corrigindo desperdícios numa propriedade rural
 
Os maiores desperdícios de uma propriedade rural correspondem, geralmente, à frutas que nem são colhidas e poderiam ser comercializadas in natura, ou transformadas em geleias e doces em calda ou em pasta, sem necessidade de se fazer qualquer investimento.
 
Como geralmente se produz leite numa propriedade rural, este poderia se transformar em significativa fonte de renda, por agregação de valor, o que implica em algum investimento, que pode ser custeado pelo valor agregado e ainda gerar muito lucro.
 
Geralmente é alegado que a manutenção de uma propriedade rural ocupa tanto tempo e exige tanta atenção que nem se pode pensar em assumir maiores compromissos, mas agora existe solução para isso.
 
Certamente que a solução não é contratar empregados, pois a legislação brasileira inviabiliza se ter empregados em uma propriedade rural.  A solução é utilizar o recurso de fazer parceria com microempreendedores individuais, sistema este que beneficia as partes envolvidas  e exclui o risco das terríveis ações trabalhistas, quase que inevitáveis nas relações de emprego rural.
 
Em próximos boletins, vou apresentar soluções racionais para se agregar valor ao que é produzido em uma propriedade rural, destacando alternativas de comercialização.
 
 
Boletim Rural N° 3
 
Torne mais rentável sua propriedade rural
 
Uma propriedade rural para ser viável depende da venda do que nela é produzido, sendo que cada item tem seu custo, ao qual deve ser acrescido um valor que vem a ser o lucro do produtor. O objetivo a se atingir é superar o ponto de equilíbrio e tornar a propriedade rentável
 
Não se deve ficar restrito a um só produto de comercialização, mas sim optar por vários, o que diminui o risco de prejuízos tão comuns quando se vive da terra e se depende do clima. A diversificação é muito importante, pois a cada novo produto oferecido e comercializado se está, também, agregando valor à propriedade.
 
Um aspecto a analisar, por exemplo, é verificar o que é mais rentável: comercializar frutas e verduras in natura ou processa-las.  Quando processamos frutas, transformando-as em geleias, compotas, doces, conservas, sucos, etc. é certo que estaremos acrescendo o custo de processamento, o que significa que agregamos valor ao produto aumentando as possibilidades de termos lucro.
 
Algumas vantagens de se agregar valor:
 
  • Um produto in natura é perecível e quando processado terá uma validade maior, podendo ser comercializado por mais tempo e terá um preço diferenciado.
  • Há um melhor aproveitamento de frutas que visualmente seriam rejeitadas para venda in natura, porém estão em perfeitas condições de serem utilizadas.
  • Durante a safra, quando o preço do item in natura pode cair ao ponto de não valer a pena colher, o processamento é uma alternativa que transforma prejuízo em lucro.
  • Podemos também usar a criatividade e oferecer produtos diferenciados, inovando receitas e usando embalagens atraentes.
Tudo isto só é válido se tivermos compradores e veremos, no próximo boletim, alternativas de comercialização.
 
Para maiores informações entre em contato comigo Cristina Haberl pelo e-mail haberl@via-rs.net
 
 
Boletim Rural N° 4
 
A propriedade rural deve oferecer os produtos que o mercado quer
 
Caso sua propriedade tenha um fácil acesso ao público, uma boa opção é comercializar seus produtos nela. Transforme  um celeiro em um pequeno posto de vendas, pois é mais prático do que um ponto na beira da estrada.
 
Pesquise o seu mercado potencial. Produza em pequenas quantidades, ofereça amostras, pesquise um produto novo para os clientes já existentes. O toque humano é fundamental, preste atenção, escute os clientes, pesquise o que eles querem e o que facilitaria a vida deles. Desenvolva novos produtos, feitos com qualidade e toque artesanal, pois terão grande possibilidade de dar certo.
 
Crie uma marca, divulgue o nome, divulgue informações sobre sua propriedade, ofereça material impresso, sobre os produtos e receitas, tendo seus produtos como  ingrediente.
 
As associações de produtores são, também, uma boa opção para comercializar seus produtos.  Participe das feiras semanais ou em lojas de produtos da região. Além da comercialização, estes locais divulgarão seus produtos.
 
Uma excelente alternativa é fazer parceria com hotéis e restaurantes. Ofereça frutas e verduras, assim como produtos com valor agregado. Pergunte ao chef o que ele gostaria de ter disponível, ofereça seu produtos, propondo-se a desenvolver algumas geleias ou queijos especiais.
 
Pense na possibilidade de usar a internet, para divulgar sua propriedade e seus produtos. Pode ser através de um blog, site ou uma loja virtual. Procure vender com lucro, para ter um desenvolvimento autossustentável.
 
 
Cristina Haberl

Comentários

Nenhum comentário encontrado.

Novo comentário