04/09/2013 - Colônia de Pescadores realiza limpeza inédita do Rio na região do Araguaia

A colônia de pescadores Z-19 de Porto Alegre do Norte (1120km de Cuiabá) deu início nesta terça (03-09) à limpeza do rio Tapirapé. 
A equipe Olhar 21 acompanhou os 20 pescadores que desceram o rio retirando paus, árvores, galhadas e lixo do leito do rio. Essas galhadas estavam atrapalhando o tráfego das canoas dos pescadores ao longo do rio. Segundo o biólogo Assis Araguaia, um dos idealizadores da iniciativa, essa limpeza além de beneficiar os pescadores que vivem do sustento retirado do rio Tapirapé, também beneficiará toda a população ribeirinha, além dos peixes com a despoluição da água.
 

Os pescadores ficarão acampados às margens do rio durante todo o processo de retirada de lixo. 
Essa limpeza é uma iniciativa da colônia Z-19 com o apoio do executivo municipal, tendo como organizador Assis Araguaia, biólogo com ampla experiência nos rios da região do Araguaia. Assis é criador do Projeto Quelônio, que recolhe ovos de tartarugas, faz todo o processo de chocagem e solta às margens dos rios da região, e também do Projeto SOS Pirarucu, que recolhe os Pirarucus dos lagos que estão com o nível baixo de água, e faz a soltura e acompanhamento em locais de maior quantidade de água, tudo com acompanhamento da SEMA e IBAMA. 
 

Segundo Assis, essa limpeza deve ter fim na quinta-feira à tarde, pois há um grande trecho com madeira presa no leito, que necessita de moto serra e um grande contingente de pessoas para fazer a retirada. A descida iniciou-se às 10 da manhã e apenas 4 quilômetros abaixo da ponte principal do rio, já encontramos o primeiro obstáculo que levou cerca de 4 horas para ser serrado.
 

Ao longo do trajeto fomos encontrando, latas, litros, sacolas e uma grande quantidade de garrafas pet, e tudo foi sendo recolhido pelos pescadores e colocado em sacos para ser levado ao aterro local. 
 

“Esse trabalho de retirada é um sonho antigo de vários pescadores que na época de estiagem tinham muita dificuldade de navegar, inclusive um sonho meu que sempre navego no período da “cheia”, mas sei bem da dificuldade de navegar nessa época” ressalta Maurival Cavalcante, jornalista e antigo morador de Porto Alegre do Norte. 
 
A nossa equipe continuará fazendo o acompanhamento durante os dias de coleta e fará o balanço do que foi retirado do rio ao final do trajeto.
 
Fonte: Junior Ribeiro/ Olhar21