05/03/2013 - A volta de Collor

Há pouco mais de 20 anos, nossa democracia realizou o processo de impeachment do então presidente Fernando Collor de Mello, o mais jovem da história do Brasil, e o 1º presidente eleito pelo voto direto após o regime militar, ele derrotou Lula em 1989. Collor caiu devido a denúncias contra ele surgida, e que diziam respeito a um esquema de corrupção montado pelo ex-tesoureiro de campanha Paulo César Farias, as denúncias, intensamente divulgadas pela imprensa, culminaram com a criação de uma comissão parlamentar mista de inquérito, a CPI do PC Farias.

 

As denúncias de corrupção, associadas ao desgaste na implantação de planos econômicos que consistiam em tentar controlar a inflação, que vinha em alta desde o governo de José Sarney (PMDB) contribuíram na queda, pois no primeiro momento os planos surtiram efeito, mas o confisco do dinheiro da população nos bancos e a volta da alta inflação provocaram a insatisfação do povo com o presidente.

 

Abandonado por aliados do poder e até por membros de sua família, Collor sofreu o pedido de impeachment no dia 29 de setembro de 1992, o ato foi aprovado por 441 votos na Câmara dos Deputados, neste dia o Congresso Nacional estava cercado por milhares de manifestantes os “Caras Pintadas” coincidentemente na sua maioria,  jovens ligados a Tucanos e Petistas.

 

Em 1994, Collor foi absolvido no Supremo Tribunal Federal (STF) da acusação de corrupção passiva por falta de provas. A absolvição na ação penal, entretanto, não o livrou da suspensão dos direitos políticos por oito anos, a contar da data do que seria o término do seu mandato presidencial, em 1994. A coincidência é que os mesmos grupos que tiraram Collor do poder ganharam o país depois, primeiro os Tucanos e Democratas com o apoio do PMDB, e depois os Petistas com Peemedebistas.

Collor foi massacrado pela mídia e opinião publica, teve severas punições, perda de mandato, de pessoas próximas, do poder, deu a volta por cima e agora vários Tucanos e Petistas acham que no jogo 2014, é bom que Collor seja candidato, tudo isto baseado em pesquisas que colocam o senador numa disputa com um patamar de 14% dos votos nacionais.

 

Uma alta fonte petebista me confirmou que nos próximos 30 dias, Collor vai definir se volta ou não, estudiosos dizem que na Campanha, Collor poderá ser atacado por ter sido derrubado do poder, porem é bom lembrar, que o outro lado tem telhado de vidro, Collor pode não ser santo, mas seria bom que outras explicações acontecessem.

 

O PMDB precisaria explicar vários mistérios como o caso dos Anões do Orçamento, os casos de corrupção envolvendo seus cardeais, Orestes Quércia e a venda da Vasp, Luiz Estevão e o prédio do TRT de SP, Jader Barbalho e caso  BanPará e as fraudes na Sudam, Joaquim Roriz  e o caso do BRB,  Newton Cardoso  e o patrimônio de sua ex-mulher em torno de R$ 3 bi,  o caso da Funasa onde  o ministro Temporão, acusou de corrupção o presidente Danilo Forte, Romero Jucá e o desvio de recursos da Saúde para  Roraima, Ney Suassuna, ex- líder do PMDB, e a compra de ambulâncias superfaturadas, e claro Renan Calheiros e Jose Sarney, contra estes dois sobram denuncias.

 

Os Tucanos de FHC, com o apoio do DEM, também tem muito a explicar, como a  quebra do monopólio da PETROBRÁS,o escândalo SIVAM, e as denúncias de tráfico de influência, a farra do PROER o programa de salvação dos bancos, o Caixa 02 das campanhas de FHC em 1994 e 1998, a tal propina na venda da Telebrás e da Vale, a emenda da reeleição onde gravações revelaram propina,  os grampos telefônicos de apoio da Previ para beneficiar o Opportunity,  o caso dos precatórios do DNER , onde se furava a fila para pagar títulos, o caso da Biopirataria oficial,o  rombo transamazônico na Sudam,  o caso do apagão elétrico, e claro a Privataria Tucana onde  denúncias afirmam a possível propina de Jereissati, comprador da Telemar, alem do comprador da Vale dizer que Ricardo Sérgio lhe cobrou comissão e ganhou dinheiro em negócios dos fundos de pensão, alem do Banco do Brasil perdoar a dívida do ex-sócio de José Serra.

 

Mas os Petistas também não ficam atrás nas explicações, não podemos esquecer as denúncias de corrupção nos Correios, do caso Portugal Telecom, o caso Celso Daniel e a morte de 7 testemunhas, dos cartões de crédito corporativos, o caso Daniel Dantas, as denuncias contra Gushiken, Gilberto Carvalho, José Dirceu, Delubio Soares e Antonio Palloci, e ainda tem o esquema FURNAS, o caso Okamoto/SEBRAE, a famosa Cueca dos dólares, a Firma do Lulinha, o caso BNDES/ O Globo, as Plataformas de gás da Petrobrás, o caso  Pizzolato, o uso indevido da CIDE dos combustíveis, o caso Erenice Guerra e claro, o grande Mensalão.

 

Então se com todas estas denuncias, Tucanos, Petistas e seus aliados continuam querendo mandar no país, eu me pergunto, por que Collor de Mello que pagou, pelo que segundo a justiça, não fez, não pode tentar ser presidente outra vez, afinal dizia  Hubert H. Humphrey  “ Errar é humano,culpar outra pessoa é política.”

 

 

EVANDRO CARLOS é jornalista e mora em Mato Grosso desde 1986

Comentários

Data: 11/03/2013

De: CM

Assunto: A volta de Collor

Collor não deveria se eleger nem para vereador de uma currutela qualquer. Esse sujeito é nefasto, pior que um câncer, responsável, dentre outras tantas desgraças, pela morte de inúmeros brasileiros que infartaram "na boca do caixa" como resultado de sua "brilhante idéia" de confiscar a poupança. Mas infelizmente o coronelismo ainda impera no Nordeste, e dessa forma temos o estado de Alagoas comandado pelos Collor, a Bahia pelo fantasma do Toninho Malvadeza, e por aí vai...
Por favor não se ofenda, mas acho mesmo que você foi de fato infeliz na escolha do tema. Beira a insanidade.

Data: 05/03/2013

De: futuro do país

Assunto: volta do collor

seu reporter evandro eu fico me perguntando as vezes se eu to ficando velho ou é DOIDO, ou se é os outros que estao?... bom afinal eu achei essa matéria sua uma verdadeira ato de INSANIDADE... COLLOR presidente da nação...NUNCA SERÃO!!!!!

Novo comentário