05/04/2013 - Greve reduz efetivo na cadeia e advogados já reclamam

Os agentes prisionais de Barra do Garças aderiram à greve na quinta-feira (4) e paralisaram a maioria das atividades deixando apenas os trabalhos essenciais. Por volta das 13h30, teve início uma manifestação em frente à cadeia pública da cidade, onde a representante do Sindicato dos Agentes Prisionais, Vanderlea Costa, explicou os motivos da paralisação.

“A luta não é só por salários, mas pelo cumprimento das promessas de insalubridade e reforço do efetivo”, destacou a agente barra-garcense apresentando documentos onde o estado havia assumido esse compromisso em 2012. A paralisação dos agentes prisionais já afetou o funcionamento da cadeia ao ponto de alguns advogados não terem acesso aos reeducandos.

O advogado Alessandro Montinago alertou que esse problema pode provocar a soltura de presos por falta de cumprimento de prazos. “Os detentos têm direito a defesa e se os prazos forem desrespeitados alguns presos podem ser soltos”, completou.

A cadeia de Barra tem trinta e dois agentes prisionais para vigiar 150 reeducandos e é considerada a unidade prisionais mais complexa do estado porque o prédio é velho e precisa de mais agentes. Segundo Vanderlea, seriam necessários no mínimo mais vinte agentes a cadeia de Barra.

O diretor da unidade, Rafael Moura, que não é quadro funcional, passou pela manifestação e não quis comentar a paralisação.

 

De Barra do Garças - Ronaldo Couto