05/07/2012 - Governador de MT nega qualquer envolvimento com Cachoeira

 

Jornal apontou que bicheiro queria fazer "negócios" com governo do estado.
Silval também disse que governo deve tocar a Lemat que o bicheiro queria.

 

O governador de Mato Grosso, Silval Barbosa (PMDB), negou qualquer envolvimento com o bicheiro Carlinhos Cachoeira, preso na Operação Monte Carlo da Polícia Federal. "Nunca tive contato com esse Cachoeira, nem por telefone muito menos pessoalmente", afirmou o governador. Ele classificou a suposta sondagem flagrada pela polícia como conversa de "bêbados”. Uma reportagem publicada pelo jornal Estado de São Paulo apontou que o grupo liderado por Cachoeira teria sondado, nas eleições de 2012, o governador e o prefeito de Cuiabá, Francisco Galindo (PTB), como "clientes potenciais" para um esquema.

 
Segundo a reportagem, os suspeitos buscavam políticos de diversas regiões do Brasil oferecendo a possibilidade de rastrear os e-mails de eleitores e usar os endereços eletrônicos para o envio de propagandas. Eles obtinham os dados por meio de violação de sigilo e interceptações ilegais. A PF informou que é crime rastrear endereços de e-mail, mesmo quando o conteúdo não é acessado.
 
“Isso é um absurdo. Tentaram me envolver”, criticou o governador, em entrevista coletiva durante a assinatura do convênio para construção da terceira etapa da reforma e ampliação do Aeroporto Marechal Rondon em Várzea Grande, região metropolitana de Cuiabá. O prefeito da capital também negou que tenha sido procurado.
 
“Citaram que eles falaram que estavam participando de uma concorrência da antiga Agecopa (atual Secretaria Extraordinária da Copa) na qual não existiu. Falaram que estavam participando de uma concorrência de uma loteria, que não existiu. É conversa de dois bêbados, de dois malucos em um boteco, envolvendo um terceiro que não tem conhecimento nenhum”, criticou.
 
Estado deve tocar Lemat
O governador também falou sobre o interesse de Cachoeira em assumir a Loteria do Estado de Mato Grosso (Lemat). Escutas da PF flagraram conversas nas quais o bicheiro demostrava que tinha interesse em assumir o controle da loteria estadual.
Silval Barbosa lembrou que o governo já cancelou o processo licitatório, e adiantou que não deve mais fazer a concessão da Lemat. “A intenção era até concessionar ela (a loteria), mas agora estamos vendo um modelo onde o estado possa operá-la”, declarou o governador.
Cachoeira é investigado supostamente manter relações suspeitas com políticos e outras empresas. No Congresso Nacional está em andamento uma Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) para apurar o caso.
 
Ericksen Vital/ Do G1 MT

Comentários

Nenhum comentário encontrado.

Novo comentário