05/12/2012 - Falsa advogada e mulheres tinham papel fundamental em quadrilha

Uma falsa advogada e mais três mulheres que participavam ativamente de uma quadrilha responsável por pelo menos 50 % dos grandes roubos a empresas cometidos na Região Metropolitana de Cuiabá, foram presas durante a operação ‘Lista Amarela’, deflagrada pela Polícia Civil.

A audácia da falsa 
advogada Jamille Paula Gluchowski foi tanta, que em julho ela chegou a ser presa por exercício ilegal da profissão e falsidade ideológica. No dia da prisão de dois membros da quadrilha por roubo de carga de medicamentos ela se apresentou na delegacia para defender os presos Francisley Ferreira Fernandes, 24 anos, e Claudinei Rodrigues, 31anos, pelo crime de receptação de mais de R$ 500 mil em medicamentos e 785 litros de defensivos agrícolas roubados.

À época o delegado desconfiou da postura de Jamile e checou o registro da OAB apresentado por ela. Como previa a Ordem dos Advogados do Brasil em Mato Grosso confirmou que ela não tinha registro para o exercício legal da profissão. 

A falsa advogada não apresentou a carteira funcional ao se apresentar na delegacia e isso despertou a desconfiança dos policiais. “Temos o procedimento de checar quando a identidade funcional não é apresentada”, disse o delegado Francisco Kunze.

As investigações identificaram que as mulheres atuavam no apoio logístico aos companheiros, também membros da quadrilha. “Elas tinha efetiva participação na organização”, frisou o delegado Francisco Kunze, titular da Delegacia Especializada de Roubos e Furtos (Derf), de Várzea Grande. 

A outra presa, Tabitha Chioratto Costa de Figueiredo, companheira do preso Tiago Gaudino Ferreira, foi encontrada com porções de maconha e outra porção grande embalada em forma cilíndrica, que possivelmente seria enviada ao marido na cadeia, introduzida na vagina.

Já Gláucia Silvia Neves, 30 anos, é apontada como a principal líder de uma quadrilha que atua em roubos de empresas, caixas eletrônicos e cargas. Ela foi presa no dia 8 de novembro e teve ordem de prisão cumprida nesta terça-feira (04), na operação “Lista Amarela”. 

A acusada já estava presa em cumprimento de dois mandados de prisão preventiva em aberto, um pelo Estado de Mato Grosso e outro por Rondônia, onde está envolvida no assalto a caixas eletrônicos. As ordens de prisão foram decretadas na operação “Furacão”, deflagrada em abril deste ano, que resultou na prisão de dez pessoas: cinco em Cuiabá, quatro em Jussara (Goiás) e uma em Gurupi, no Estado de Tocantins. 

“Foram cumpridos 11 mandados de prisão do lado externo. Têm sete pessoas que já estão presas, algumas presas no curso da operação que já estamos há pelo menos seis meses”, pontuou o delegado Fausto José Freitas da Silva.

 

Da Redação - Laura Petraglia