06/02/2013 - Motorista irritado morre de infarto em atoleiro de rodovia em MT: “Ele estava muito nervoso”

 

As rodovias em Mato Grosso matam de todos os jeitos. Um motorista de uma carreta morreu enquanto viajava para a entrega de mercadoria na cidade de Colniza, no extremo Norte de Mato Grosso.  Valteni Augusto Ferreira, 49, sofreu um infarto fulminante. Ele estava parado com o veículo na comunidade AR2, na MT 208, cerca de 72 quilômetros de Aripuanã, por conta de um atoleiro que tinha próximo a pequena vila. A esposa de Valteni, Noeli Ferreira, contou que ele estava nervoso por causa das condições da estrada.
 
Ela revelou que tinha pedido demissão do emprego para viajar com o marido e cuidar dele, já que ele era portador de diabetes e deveria tomar remédios controlados. “Mas ele estava muito nervoso com a situação da estrada” – acrescentou a mulher.>>>
 
O casal estava semanas na estrada. Os dois saíram de de São José do Rio Preto (SP) levando uma carga de cimento com destino a Colniza. Ela relata que o trecho que mais demoraram para andar foi entre a cidade de Castanheira a Juruena e em seguida a comunidade onde pararam e aconteceu a tragédia. Nesse pedaço da estrada já estavam parados a três dias e percorreram apenas 140 quilômetros.
 
Amigos de Valteni estão indignados com o descaso e as situações das estradas. Dizem que sofrem a mesma situação todos os anos e o Governo nem se quer disponibiliza maquinas para ajudar na manutenção das rodovias nesse período. O caos acontece em todas as regiões do Estado.
 
“A região que nós rodamos de Castanheira a Colniza ou a Aripuanã é péssima. Não tem assistência por parte dos governantes. O município não pode mexer nas estradas, e nós que movimentamos o Brasil com o transporte de alimentos e madeira temos que ficar 3,4 ou 5 dias parado, não temos assistência nenhuma. Hoje um amigo nosso morreu, de infarto fulminante por que passou raiva de mais. Isso aqui mata qualquer um de raiva mesmo!” – disse Antônio Renato Carneiro.
 
Ele conta que só nos 40 quilômetros de Juruena a AR2 gastou três dias atolando e sendo arrastado pelos companheiros. Resignado, protestou: “Mas fazer o que, nós temos que continuar por que temos que levar a comida para a nossa família que nos espera”.
 
Valteni Augusto Ferreira deixou um casal de filhos e a esposa que o acompanhavam. Motorista a 23 anos prestava serviços para Essencial Transportes Rio Preto.
 
Escrito por Ivan Marcondes | Revista Super via 24 Horas News 

COMENTÁRIOS

Nenhum comentário encontrado.

Novo comentário