06/07/2012 - Dilma diz que seu legado será a saúde pública

 

A presidenta da República, Dilma Rousseff, disse hoje (5), em São Bernardo do Campo, que o seu legado será ter avançado na melhoria da saúde pública, dando sequência ao que começou a ser feito no mandado de seu antecessor Luiz Inácio Lula da Silva. Segundo Dilma, seu objetivo é fazer com que o serviço público de saúde dê assistência em toda a cadeia de atendimento.
 
“Falo em partes incompletas, porque quando o presidente Lula chegou ao governo havia as unidades básicas de saúde e os hospitais, mas no meio não tinha nada. Daí a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) para construir essa cadeia que vai do postinho até o hospital”, disse a presidenta, durante discurso na inauguração da UPA de São Bernardo do Campo.
 
Dilma ressaltou que o atendimento no sistema público de saúde precisa ser mais humanizado porque as pessoas doentes ficam fragilizadas e precisam não só do atendimento médico, mas também de atenção com qualidade e respeito. Ela reconheceu que a saúde pública tem falhas e destacou que para sanar esses problemas é preciso parcerias entre as três esferas de governo.
 
“Queremos o atendimento humano com respeito e tendo aquele médico que a pessoa procura, aquela enfermeira que está precisando. Sabemos que uma parte fundamental do tratamento é o acesso e o tratamento de qualidade. A UPA é para buscar garantir esse atendimento com a pessoa no centro do problema”.
 
O ministro da Saúde, Alexandre Padilha, disse que é muito bom ter um prédio bonito e equipamentos novos, mas a alma de um serviço de saúde pública são os trabalhadores. Ele destacou que o governo ficará atento e fiscalizará o serviço. “Vamos avaliar a qualidade do atendimento e se for cumprido o que foi determinado dobraremos os recursos para apoiar a contratação de profissionais”.
 
A UPA na grande São Paulo funcionará 24 horas por dias, inclusive nos finais de semana, e fará atendimentos de urgências e emergências de baixa e média complexidade. A capacidade de atendimento será de até 350 pessoas por dia e haverá 14 leitos.
 
Foram investidos R$ 7,7 milhões na obra, dos quais R$ 2 milhões do governo federal e o restante da prefeitura. Esses valores abrangem a desapropriação do terreno, infraestrutura, construção, os equipamentos e o mobiliário. Até o final do ano, mais uma unidade será aberta completando nove UPAs na cidade.
 
As UPAs são unidades de alta complexidade que englobam uma rede de atendimento às emergências que agem em conformidade com a Política Nacional de Atenção às Urgências. A estratégia de atendimento está ligada à ação do Serviço Móvel de Urgência (Samu), que organiza o atendimento e encaminhar o paciente para o serviço adequado.
 
O governo inaugurou simultaneamente unidades em Porto Seguro, na Bahia, e no Recanto das Emas, no Distrito Federal.
 
Agência Brasil

Comentários

Data: 09/07/2012

De: ana

Assunto: legado

vai ser mesmo. Hospitais desativados, estudantes de medicina sem local para realizarem aulas praticas ou que as fazem em locais caindo aos peaços, emergencias lotadas, corredores servindo de enfermaria, medicos surtando de tanto trabalho, etc etc etc.....
É com certeza vai ser umlegado e tanto.
Jamais será esquecido.

Novo comentário