06/07/2015 - Servidores defendem auditoria, mas sem parar pagamento da URV

06/07/2015 - Servidores defendem auditoria, mas sem parar pagamento da URV

Em resposta ao juiz da Quinta Vara Especializada da Fazenda da Comarca de Cuiabá, Roberto Teixeira Seror, a diretoria do Sindicato dos Servidores da Assembleia Legislativa de Mato Grosso (Sindal-MT) protocolizou no final da tarde da última quinta-feira o pedido de imediato restabelecimento do pagamento das parcelas da URV (Unidade Real de Valores). A categoria considera como "direito conquistado" o pagamento do benefício conquistado após decisão judicial em transitado e julgado e que garantiu a reparação dessas perdas salariais provocadas em ocasião da mudança de moedas, ainda na década de 90.

 

O pedido do sindicato se dá em função da atitude da nova Mesa Diretora da Assembleia que suspendeu neste mês de junho, após pagamento de cinco parcelas, o pagamento da URV acordado pela direção anterior por meio da resolução 4094, de 25 de novembro de 2014, em cumprimento à decisão da justiça favorável aos servidores. Nesta resolução ficou estabelecido o calendário de pagamento dessa reposição em 25 parcelas a partir de janeiro de 2015.

 

O argumento da Mesa Diretora para suspensão do pagamento da URV é de que a atendeu uma notificação recomendatória do promotor de Justiça Clóvis de Almeida Junior, que teria observado irregularidades em pagamentos de alguns servidores. E que por isso a Mesa determinou uma auditoria geral e suspensão, até sua conclusão, do pagamento da URV.

 

Em seu pedido à justiça, o sindicato sustenta que o caminho mais sensato é a suspensão apenas dos pagamentos com irregularidades comprovadas, já que se trataria de um pequeno grupo de servidores. “O sindicato defende a apuração. Se há irregularidade, que se suspenda só esses casos. Muitos servidores já fizeram compromissos com essa reposição da URV, sendo que existem casos de colegas que têm familiares em tratamento de câncer e que também alguns que já haviam contraído empréstimos em função desta conquista. Por isso achamos injusta a suspensão generalizada. Por isso entramos com esse pedido de restabelecimento imediato desses pagamentos. Trata-se de um direito legítimo nosso. O sindicato está vigilante e não abrirá mão da defesa enérgica de nossa categoria” ressaltou o presidente do Sindal, José Antônio "Zezão".

 

A Justiça já recebeu o parecer da Procuradoria da Assembleia e agora, com o posicionamento do sindicato, irá emitir sua decisão sobre a suspensão ou não do pagamento da URV dos servidores do poder legislativo mato-grossense. O advogado Marcus Antônio Brito, um dos responsáveis pela ação do sindicato, espera uma decisão favorável à categoria.

 

 

 

Da Redação

 

Comentários

Nenhum comentário encontrado.

Novo comentário