06/08/2012 - Polícia Civil encontra 330 pessoas que estavam desaparecidas em MT

A Polícia Civil de Mato Grosso encontrou mais de 330 pessoas que estavam desaparecidas nos últimos 2012. De janeiro a julho foram registrados 424 desaparecimentos em Mato Grosso. Maioria das ocorrências são de pessoas do sexo masculino.
O número é referente aos últimos sete meses e a localização foi feita pelo Núcleo de Pessoas Desaparecidas, da Delegacia Especializada de Homicídios e Proteção a Pessoa (DHPP). 

Nos últimos sete meses, a Polícia Civil do Estado recebeu 424 registros de pessoas, que por algum motivo saíram de suas casas e não retornaram mais. O delegado titular da DHPP, Silas Tadeu Caldeira, destacou o aumento da equipe do núcleo desaparecidas como fator preponderante na agilidade da localização de pessoas.

Segundo Silas, o setor conta com quatro policiais que atuam 24 horas nos casos. “A ocorrência chegou, independente do familiar ir na delegacia ou não, os policiais entram em contato e iniciam os primeiros levantamento”, afirma. “Em casos de pessoas desaparecidas, se a polícia não trabalha rápido, perde a pista”, explica o delegado.

Segundo a assessoria de imprensa da PJC, do número de ocorrências, 248 desaparecidos são do sexo masculino. Jovens e adultos, com idades entre 18 e 64 anos, totalizando 177 pessoas, representam a maioria dos desaparecidos.

Em segundo lugar, ainda segundo informação da assessoria, vem os adolescentes e crianças, de zero a 17 anos com 53 comunicações. Idosos acima de 65 anos tiveram 14 registros e 4 dos boletins estavam com a idade da vítima ignorada.

Do total de 176 vítimas femininas, as adolescentes são as que mais saem de casa. Foram 104 meninas, na faixa de zero a 17 anos e 68 mulheres com idades de 18 a 64 anos. No período, não houve nenhum registro de mulher idosa e quatro comunicações com idade ignorada do desaparecido.

Com relação aos prováveis motivos, o afastamento do convívio familiar, com 163 registros do sexo masculino e 139 femininos, é a principal causa do desaparecimento de homens e mulheres. Boa parte, adolescentes e jovens que se desentenderam com os pais e resolveram fugir de casa.

Outras 71 pessoas desaparecidas tiveram a motivação relacionada a cooptação para práticas criminosas, quando a pessoa foge por estar envolvida com delitos. “Geralmente encontramos pessoas em bocas de fumo, envolvidas com furtos e até mesmo presas”, disse o investigador Auri Nascimento, do Núcleo de Pessoas de Desaparecidas.

Vinte e seis desaparecimentos foram considerados enigmático, sendo 14 meninos e 12 meninas, que abandonaram suas casas sem aparente motivo algum, deixando as famílias desesperadas. Já 19 comunicações de desaparecimento tiveram como motivação a evasão de custódia legal, tratando-se a maioria de crianças. Sete ocorrências estavam relacionadas subtração por familiar, pai ou mãe.

Para o investigador Auri Nascimento, a evasão de custódia legal é uma das ocorrências mais difíceis de apurar, pois geralmente chega com pedido da Justiça e com poucas informações da vítima. “A gente sabe com quem está a tutela, mas não sabe onde”, destacou.

O Núcleo de Pessoas Desaparecidas está instalado no prédio da Delegacia Especializada de Homicídio e Proteção a Pessoa (DHPP), em Cuiabá, na Avenida Tenente Coronel Duarte (Prainha). O telefone de contato é o (65) 3901-4803/23.

 

Da Redação - Victor Cabral

Comentários

Nenhum comentário encontrado.

Novo comentário