06/09/2015 - BR-242 - Evento de integração entre MT e TO, propõe debate sobre construção de rodovia dentro da Ilha do Bananal

O uso de agrotóxicos em Mato Grosso deverá ter a sua fiscalização intensificada pelo Governo do Estado. A indicação/sugestão foi apresentada no plenário da Assembleia Legislativa pelo deputado estadual Gilmar Fabris (PSD), no último dia 02 de setembro, diante a necessidade de regulamentação do artigo 46 da Lei 7.862/2002, que proíbe a produção, o transporte, armazenagem, comercialização e utilização de produtos agrotóxicos, componentes e afins cujos elementos ativos tenham sido proibidos nos países de origem.

De acordo com o parlamentar, a proposta do artigo 46, da referida Lei, ainda não foi regulamentado passados 13 anos. Gilmar Fabris destaca que "nenhuma providência foi adotada pelo Poder Executivo para o cumprimento do referido artigo".

Mato Grosso é o principal produtor de grãos do Brasil. Em estimativa da Companhia Nacional do Abastecimento (Conab), em agosto, para o ciclo 2014/2015 é uma produção de 51,202 milhões de toneladas em Mato Grosso, um crescimento de 3,5 milhões de toneladas em relação à safra passada.

Conforme levantamento do Sistema Campo Limpo (logística reversa de embalagens vazias de agrotóxicos), realizado pelo inpEV (Instituto Nacional de Processamento de Embalagens Vazias), Mato Grosso registrou um aumento de 7% na destinação de embalagens em relação a 2015, de 5.475 toneladas para 5.841 toneladas.

“São produtos nocivos à saúde. Tanto que a comercialização nos países onde são fabricados é proibida. Então, não podemos permitir que esses agrotóxicos sejam comercializados em nosso estado. Pois, colocam em risco à saúde da população e o meio ambiente”, pontuou Fabris.

No Plenário da Assembleia Legislativa o deputado Gilmar Fabris sugeriu, ainda, a regulamentação da Lei e lembrou que há produtos liberados no mercado que podem substituir os perigosos, apesar de serem mais caros. Existe a argumentação que os substitutos são mais caros, mais indagamos: qual é o preço da saúde de nossa população?”.

A indicação do parlamentar será enviada para as Secretarias de Estado de Meio Ambiente (Sema) e de Saúde (SUS), bem como ao Instituto de Defesa Agropecuária de Mato Grosso (Indea) e à Procuradoria Geral de Justiça.

Na lista dos itens com princípios ativos proibidos no país de origem constam os produtos: abamectina, acefato, carbofurano, cihexatina, endossulfam, forato, fosmete, glifosato, lactofem, metamidofós, paraquate, parationa metílica, tiram e triclorfom.

 

 

Olhar Direto

Comentários

Data: 08/09/2015

De: enganador

Assunto: arma pra ganha votos

vcs sabe gente. br 242 ja esiste e to 500 nao sai do projeto porque estas proposta e assim sempre proxino de ano de eleiçoes ,brinca nao em baino

Data: 07/09/2015

De: kkkkkkkkk

Assunto: kkkkkkkkkk

Essa BR-242, essa transbananal, toda essa palhaçada inventada por aquele evento medíocre chamado dinamica, não vai sair porque a região de sao felix e adjacencias sao os maiores atrasos do Vale do Araguaia. Não tem potencial pra nada, terra fraca de varjão, seca muito.

br-242 fica pra 2050, ou se der tudo certo pra 2049. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

transbananal fica pro dia que a dilma visitar sao felo. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

PODE POR CARNE NO FOGO E SOM NA CAXA QUE O BAIANO FESTA APARECE.

Novo comentário