07/03/2012 - Mãe que abandonou bebê em Cuiabá teve psicose pós-parto, aponta laudo

 

Mulher abandonou criança recém nascida no primeiro dia do ano.
Delegada afirmou que mulher deve ser indiciada por abandono de incapaz.
 
A mulher que abandonou uma criança recém nascida no primeiro dia de 2012 em uma rua do centro de Cuiabá era 'incapaz de entender os próprios atos'. Foi este o parecer dado por uma médica psiquiatra que avaliou, a pedido da Polícia Civil, o estado psicológico da mulher que assumiu ter abandonado o bebê ainda com o cordão umbilical.
 
Conforme Liliane Murata, delegada titular da Delegacia Especializada de Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente (Deddica) de Cuiabá, o laudo foi entregue na tarde desta segunda-feira (5). “O laudo apontou psicose puerperal, que quer dizer que ela era incapaz de entender os próprios atos naquele momento em que a criança foi abandonada”, explicou a delegada. A incidência deste tipo de psicose é de um ou dois casos a cada mil nascimentos.
 
Conforme o ginecologista Luiz Augusto Menechino, a psicose puerperal é uma forma mais grave da depressão pós-parto. “A psicose pós-parto é uma depressão profunda que ocorre com a mulher. Não é muito frequente, mas temos alguns casos. Existe a psicose leve, moderada e a grave em que a mulher chega até como este caso, a abandonar a criança”, explicou o médico.
 
A delegada informou ainda que o inquérito deve ser concluído nos próximos dias. “Vou concluir o inquérito e encaminhar para o fórum. Tecnicamente, este laudo isenta ela de qualquer culpa, mas não sou eu quem decide isso”, declarou ao salientar que mesmo com o laudo médico, a mulher deve ser indiciada por abandono de incapaz.
 
O abandono
A criança foi encontrada no dia 1º de janeiro enrolada em uma manta branca e ainda com a placenta. A menina foi achada por uma família e encaminhada para o Pronto-Socorro Municipal de Cuiabá, onde ficou nove dias internada. Depois de receber alta hospitalar, a criança foi levada para o Lar da Criança, onde deve permanecer até que seja decidido se o bebê será encaminhado para adoção ou se voltará para a família.
 
De acordo com a Polícia Civil, que investiga o caso, a identidade da mãe da criança foi confirmada após um exame de DNA. A mulher de 32 anos afirmou durante depoimento que era mãe do bebê e que só soube da gravidez ao fazer exames médicos para a realização de uma cirurgia de laqueadura, já que ela tem quatro filhos e não queria ter outro.
 
Ainda no depoimento, a mulher revelou que teve a filha sozinha em casa. Depois de dar à luz, ela limpou a criança e a enrolou em uma manta de seu filho menor. Ela disse para a delegada que ficou muito confusa após o nascimento da criança e não sabia o que fazer e decidiu abandoná-lo.
 
Iara Vilela/ Do G1 MT

Comentários

Nenhum comentário encontrado.

Novo comentário