07/04/2015 - Família revela que PM baleado já havia sido ameaçado pela namorada

07/04/2015 - Família revela que PM baleado já havia sido ameaçado pela namorada

Familiares do cabo da Polícia Militar, Alexandro Moreira de Oliveira, 38, que integra a equipe de segurança do governador Pedro Taques (PDT), afirmaram que ele já havia sido ameaçado pela namorada, a servidora da Secretaria de Assistência Social, Ellen Gonçalves Santana, 34. Ontem, Ellen foi detida por atirar no rosto do militar, mas alegou que o disparo ocorreu de forma acidental.

Segundo policiais que colheram depoimentos de familiares da vítima, o casal havia discutido de forma áspera durante um show realizado há duas semanas no Centro de Eventos do Pantanal. Na ocasião, ela ameaçou “acabar com a vida” do namorado.

Já Ellen disse que o tiro ocorreu de forma acidental. Conduzida para o Cisc do bairro Planalto logo após o disparo, a servidora pública contou ao delegado Celso Renda Gomes que o casal participava de uma confraternização na casa da mãe do policial durante a madrugada de domingo. 

O disparo aconteceu por volta das 7h30, quando somente o casal que havia feito o consumo de bebidas alcoólicas estava na parte dos fundos da residência, localizada no bairro Jardim Independência. Conforme o relato da moça, o tiro “acidental” acontece depois de ser acordada pelo PM enquanto dormia em um banco próximo a piscina.

“Ele sempre deixava a sua arma comigo para guardá-la em minha bolsa nesses eventos e assim que acordei com ele mordendo meu pé, levantei rapidamente e retirei a arma da bolsa para entregá-la a ele, que acidentalmente disparou”, explicou a servidora.

Peritos criminais estiveram na cena do crime e relataram dificuldades na investigação, pelo local não ter sido preservado, pois o sangue no chão havia sido lavado. Em conversas com familiares do PM, policiais civis foram informados que o casal havia se desentendido quando saíram para um show no dia 28 de março, onde a servidora disse que iria acabar com a vida do PM.

Após ser ouvida, a mulher foi autuada pelo crime e transferida no final da tarde para o presídio feminino Ana Maria do Couto May, no bairro Pascoal Ramos. Um inquérito foi aberto e o caso está sendo apurado pela Polícia Judiciária Civil. 

Alexandro está internado na UTI (Unidade de Terapia Intensiva) de um hospital particular de Cuiabá. De acordo com boletim médico, ele está em coma e o estado é considerado gravíssimo. 

 

 

Folha Max

Comentários

Nenhum comentário encontrado.

Novo comentário