07/09/2015 - Professora queimada em explosão de lancha permanece na UTI e precisa de ajuda

07/09/2015 - Professora queimada em explosão de lancha permanece na UTI e precisa de ajuda

Diferente do que foi comentado por alguns amigos de que a professora de História Laurieny Geralda de Souza, 31 anos, estaria fora da UTI e se recuperando, a família se pronunciou sobre o assunto e confirmou que ela permanece internada num leito de UTI do Hospital de Queimaduras em Goiânia e sem previsão de alta. 

Ela está consciente e conversando normal, todavia os médicos optaram em mantê-la na UTI porque ela sente fortes dores e às vezes precisa ser sedada.

A professora estava na companhia do médico Rodrigo Mascarenhas e da esposa dele, a promotora de Justiça Ana Carla, e mais três pessoas, quando a lancha começou a pegar fogo no rio Araguaia em frente a rampa do Porto do Baé, em Barra do Garças, dia 30/08.

Quando o incêndio que destruiu a lancha começou todos ocupantes pularam no rio, só que Laurieny provavelmente atordoada com a situação demorou a sair da embarcação. E como conseqüência ela queimou 70% do corpo e 15% com maior gravidade do quadril para baixo.

A irmã dela, a também professora Simone Souza, conta que Laurieny precisa de curativos caríssimos em torno de R$ 10 mil porque a parte que ela queimou terá que passar por dez sessões. “Já conseguimos uma sessão com doações de amigos”, explica.

A família lembra que os demais ocupantes da lancha foram atendidos em hospital particular e até mesmo com avaliação de neurocirurgião, enquanto que a professora foi encaminhada para ao SUS.

“Ela está sendo muito bem cuidada aqui em Goiânia, mas não são só remédios que ela precisa. Ela precisa de alimentação diferenciada e curativos que muitas das vezes o SUS não oferece”, frisou a irmã.

E para superar essa situação, amigos decidiram fazer uma campanha na net. As contribuições podem ser feitas em nome da mãe dela (Laurita) conta 1112-6 agência 0571-1 ou na conta 3992-X conta 16587-5 do Banco do Brasil

Simone se emociona em dizer que a irmã é um exemplo de superação e de garra e recorda que no final do ano passado Laurieny chegou a ser internada também numa UTI em Goiânia com um aneurisma e conseguiu superar a situação.

Naquela ocasião, amigos também ajudaram através de doações. “Minha irmã é uma batalhadora e vai superar esse momento. Nós agradecemos aos amigos de verdade que estão nos ajudando. Fizeram uma galinhada no ano passado que nos apoiou muito”, finalizou.

 

 

Ronaldo Couto

Comentários

Nenhum comentário encontrado.

Novo comentário