07/10/2015 - Silval Barbosa permanece calado em CPI

Nesta terça-feira (6), o ex-governador do Estado, Silval Barbosa (PMDB), esteve na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Renúncia e da Sonegação Fiscal, na Assembleia Legislativa. Diante os questionamentos dos deputados, o peemedebista permaneceu calado.

“Quero pedir a compreensão dos parlamentares, porque sequer fui ainda citado na ação. Estou preso e sequer fui citado. Não tomei conhecimento do teor dessas denúncias. Não há constrangimento nenhum em ouvir as perguntas. Mas, por enquanto, seguindo orientação dos advogados, para não estragar a defesa do meu caso, vou permanecer calado”, disse o o ex-governador.

Mesmo sem responder as perguntas dos parlamentares, Silval afirmou brevemente que fez o que nenhum governo fez e tudo que era "patinho bonito virou patinho feio". Ele completou dizendo que se sente injustiçado e que é um absurdo falar que as obras da Copa não foram planejadas.

O objetivo da CPI era saber sobre os incentivos fiscais liberados durante a gestão de Silval, que de acordo com a Comissão, apresentam várias irregularidades. Entre elas, a aprovação por decreto de empresas para receber incentivos, mesmo não se enquadrando nos pré-requisitos, como aconteceu com o Grupo Tractor Parts, o qual, o empresário e delator João Batista Rosa é sócio.

Para o presidente da CPI, deputado José Carlos do Pátio (SD), a falta do depoimento do ex-governador não atrapalha o andamento das investigações.

"Eu não posso mudar o que é da lei, nós estamos investigando, nós temos provas concretas e muito embasamento [...] Era importante a contribuição dele, das informações, mas independente disso, mesmo com o silêncio dele, nós temos material suficiente", disse.

O advogado de Silval, Valber Melo, explicou que pelo o fato do governador não ter sido citado sobre as denúncias, apesar de estar preso, ele preferiu permanecer calado diante os questionamentos da CPI.

"Existe uma denúncia, mas sequer ele foi citado para poder ter oportunidade de se defender[...] Os pedidos de habeas corpus continuam, estamos esperando o Tribunal de Justiça julgar o mérito e essa injustiça possa ser corrigida da forma mais rápido possível", ressaltou.

Acompanhe em tempo real

15h19 - Comissão agradece a presença de Silval Barbosa e sessão é encerrada pelo presidente Zé do Pátio.

15h17 - Ex-governador retoma discurso de que não pode falar à CPI, mas que encaminhará todas as respostas.

15h11 - Silval afirma que fez o que nenhum governo fez. E tudo que era "patinho bonito virou patinho feio". Completa que se sente injustiçado e que é um absurdo falar que as obras da Copa não foram planejadas.

15h07 - Silval agora fala sem parar e Zé do Pátio interrompe. Wilson Santos pede para que deixe Silval desabafar, embora as declarações não tenham nada a ver com as investigações da CPI.

15h04 - Ex-governador, após os questionamentos, desabafa aos deputados que ninguém imagina como ele está se sentindo.

15h02 - Silval faz várias anotações e troca falas curtas com os advogados.

15h00 - Emanuel Pinheiro volta a falar.

14h51 - Chega a vez do deputado Max Russi. Ele sugere que a CPI encaminhe as perguntas para que Silval, assim que citado na ação, possa respondê-las.

14h50 - Líder do governo na Casa, Wilson Santos, questiona o ex-governador sobre interesses em beneficiar determinadas empresas.

14h47 - Emanuel Pinheiro começa a falar e pergunta sobre o decreto assinado por Silval e o ex-secretário de Fazenda, Marcel Cursi, assinado sem vistoria nas empresas.

14h45 - Presidente da CPI, José Carlos do Pátio, fala neste momento.

14h40 - Silval explica que está na AL como testemunha, mas em processo que é réu, portanto vai permanecer em silêncio.

14h37- Ulisses Rabaneda disse que o compromisso com a verdade é incompatível com o direito de permanecer em silêncio. "Ele é investigado e já foi denunciado pelos mesmos fatos nesta CPI".

14h35- Advogados Ulisses Rabaneda e Valber Mello acompanham Silval.

14h25 - Deputado estadual Gilmar Fabris (PSD) justificou a ausência na oitiva do ex-governador. Através de requerimento à CPI, ele disse ter agenda marcada anteriormente. 

13h55 - Silval Barbosa chega pela entrada privativa da Assembleia Legislativa para não ser fotografado. 

 

Jéssica Moreira e Fernanda Escouto do GD

Comentários

Nenhum comentário encontrado.

Novo comentário