0708/2015 - "O Legislativo não pode ajudar a destruir o país", diz Blairo Maggi

O senador Blairo Maggi (PR) é um dos líderes nacionais que integram um bloco formado por parlamentares da base ou de oposição ao Governo da presidente Dilma Rousseff (PT), no Senado, e que se reuniram, nesta semana, na tentativa de formar um “pacto pela governabilidade do país”. 

A ideia do grupo, de acordo com reportagem publicada pelo jornal O Estado de S. Paulo, é se contrapor às propostas que causem impacto aos cofres públicos e que têm sido aprovadas nos últimos dias pela Câmara dos Deputados, as chamadas "pautas-bomba".

“O Legislativo não pode usar, neste momento, da fraqueza do Governo para destruir o País, tem que ter responsabilidade", afirmou Maggi à reportagem. 

O republicano ainda sustentou que seus colegas de Senado precisam, em suas falas, passar tranquilidade para o País e para o mercado de que não vão compactuar com o que a Câmara está fazendo. 

"Se querem colocar fogo no país, vão colocar lá, no tapete verde, naquele lado de lá, mas aqui nós temos que ser o bombeiro, nós devemos ser o bombeiro", completou.

“Cordão de isolamento”

Ainda de acordo com reportagem do Estadão, um jantar foi promovido, nesta semana, pelo senador e empresário Tasso Jereissati (PSDB-CE) com a presença de integrantes da cúpula do seu partido e do PMDB. 

Estavam presentes no encontro, os senadores Aécio Neves (PSDB-MG) e José Serra (PSDB-SP), o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), o líder do PMDB na Casa, Eunício Oliveira (CE), entre outras lideranças de situação e da oposição. 

Na ocasião, teria sido acertado que os senadores criarão um "cordão de isolamento" para impedir a aprovação das chamadas "pautas-bomba" pelos deputados. 

Discurso

Em discurso no Plenário do Senado, no começo da tarde desta quinta-feira (6), Blairo Maggi conclamou o Senado Federal a ter responsabilidade e tranquilidade para dar ao país condições de enfrentar os graves problemas que ainda virão pela frente devido às crises política e econômica.

Para ele, o Senado deve contradizer o que a Câmara dos Deputados está fazendo, como a aprovação, na quarta-feira (5), de reajuste de salários da Advocacia-Geral da União. 

Para o senador mato-grossense, os parlamentares não podem aprovar reajustes para agradar os servidores, sem levar em conta as dificuldades do país.

Maggi reconheceu a baixa popularidade da presidente Dilma Rousseff, mas observou que o Executivo precisa do apoio do Legislativo porque, sozinho, não conseguirá reverter a situação. 

"Por isso, os senadores precisam levar tranquilidade aos brasileiros e ao mercado, garantindo que não pactuarão com o que está fazendo a Câmara", afirmou.

Já a crise econômica, segundo Maggi, começou com a decisão do governo de suspender o pagamento de serviços contratados, como os do Programa Minha Casa, Minha Vida, o que provocou muitas demissões e dificuldades para as empresas. 

O senador alertou ainda que as empresas brasileiras terão suas dificuldades agravadas se o país perder o chamado “grau de investimento”.

 

 

Camila Ribeiro 

Da Redação

Comentários

Nenhum comentário encontrado.

Novo comentário