08/02/2016 - Depois de Mandioquinha, agora Miguelão é que sugere a servidores mudarem de emprego

08/02/2016 - Depois de Mandioquinha, agora Miguelão é que sugere a servidores mudarem de emprego

A sessão de abertura dos trabalhos da Câmara de Vereadores de Barra do Garças, em 2016 ocorrida no dia (1) deste mês foi marcada por protestos de servidores públicos. Cerca de 50 servidores da Educação e da Saúde estiveram no plenário da Câmara para acompanhar o pronunciamento do presidente do Diretório do PMDB na cidade, vereador Welinton Andrade da Silva. Mandioquinha como é conhecido, foi protagonista num debate que ocorreu nas redes sociais -whatsapp-, com uma professora da rede municipal de ensino, onde ‘mandou’ a mesma estudar mais e prestar concurso para juiz, promotor de Justiça ou entrar na política para ganhar mais.

 

A discussão ocorreu em janeiro de ano, em função das críticas da professora Cláudia Regina ao vereador Mandioquinha a respeito do baixo salário pago pela prefeitura de Barra do Garças, e também por criticar a lei do achatamento aprovada em 2013 (lei que reduziu os coefientes do PCCS), por 11 votos, incluindo o de Welinton Andrade (Mandioquinha).

 

O babado ganhou destaque na mídia estadual e nacional, o que obrigou Mandioquinha gravar um vídeo pedindo desculpas. Na ocasião, ele em Cuiabá, disse que na primeira sessão de 2016 iria pedir desculpas na tribuna, o que não ocorreu.

 

Presidente da Câmara de Vereadores, Miguel Moreira da Silva, o Miguelão (PSD), no embalo de seu colega de parlamento, também não suportou os protestos, dessa vez vindos do plenário daquela sessão, sobre questionamentos salariais e sugeriu ao servidor que não está contente com o salário, que se demita e vá procurar emprego nas novas empresas, que segundo ele, vão se instalar na cidade como é o caso de um frigorífico, e um curtume.

 

Dos 15 vereadores dois, o presidente do PMDB no município, o Mandioquinha e o presidente da Casa, o Miguelão, contam com esse pensamento, segundo disse a professora Cláudia Regina, “eles não pensam na valorização do profissional, nem da Educação, muito menos o da Saúde”. “Esses dois vereadores, nós servidores já sabemos o que eles pensam sobre nossos salários, espero que os outros não acompanhem esse pensamento retrogrado”, finalizou a professora Cláudia.

 

Em defesa da administração Roberto Farias, a bancada de sustentação persiste em dizer que o município está em dificuldades financeiras, e a maioria parace está sem palavras diante da Operação Caça-Fantasma, deflagrada pelo Ministério Público e pelo Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco) que apura o pagamento a servidores que recebem e não trabalham, causando prejuízo de mais de 330 mil reais aos cofres públicos, e que já rendeu ao prefeito, secretários e servidores, o bloqueio de todos os seus bens.

 

 

 

Fonte: Ronan de Sá com Semana7

Comentários

Data: 09/02/2016

De: Albino Pfeifer Neto

Assunto: Vereadores de Barra do Garças

Muitos eleitores de Barra do Garças, vendem seu voto na eleição e elegem este tipo de vereador.Professores se organizem! Vocês Professores da Barra suas famílias são suficientes para elegerem pelo menos 2 dois vereadores, o que faz muita diferença em uma Câmara Municipal. Vocês pessoas com estudo, com visão de futuro, está na hora de dar o troco nessa gente neste ano!! As eleições vêm aí!!!!

Novo comentário