08/03/2013 - Advogado preso pela PM vai acionar Estado e militares por danos morais

O advogado criminalista Marco Antonio dos Santos decidiu que irá acionar judicialmente por danos morais o Estado e os Policias Militares responsáveis pela prisão dele e da advogada Ione Ferreira na tarde de quarta-feira (6) após tentarem acompanhar o depoimento de seis estudantes da Universidade Federal de Mato Grosso, que haviam sido presos durante manifestação pela manutenção da Casa do Estudante da UFMT.

“Eu não tinha nada com caso, mas quando vi a agressão que os militares estavam cometendo contra a colega que tentava acompanhar o registro do boletim de ocorrência, resolvi ajudá-la. Daí passei a sofrer o mesmo tipo de xingamento e humilhação. Eles me diziam: você é burro? Aqui é a sala da PM você não pode entrar nem permanecer, quem manda aqui é a PM”, contou.

Segundo o advogado, em determinado momento um dos militares arrancou a porta da sala mandou colocar no Boletim de Ocorrência que a advogada, de compleição física pequena, era responsável pela destruição do patrimônio público e ainda, obstrução da justiça. “Ora, desde quando agora PM virou Justiça? Faça-me o favor. Fora as humilhações e os xingamentos que eles nos expuseram o tempo todo”, detalhou.

O depoimento do jurista foi dado junto ao de Ione na tarde desta quinta-feira (7) à Ordem dos Advogados do Brasil. Para ele somente as ações administrativa, penal e criminal encabeçadas pela OAB/MT contra os PMs não são suficientes para aprendam a lição. “Enquanto não se mexe no bolso, infelizmente eles não aprendem”, declarou.

Ione disse ainda está estudando que medida tomar, mas que pensa em acionar a reitora da UFMT caso fique comprovado que partiu dela a ligação para intervenção policial junto aos estudantes. 

A Defensoria Pública esteve presente na oitiva dos advogados na OAB/MT e por meio do ouvidor Paulo Lemos, sugeriu que os estudantes processem o Estado pelo ocorrido e que usem o órgão para isso. Além disso, Lemos quer que os envolvidos sejam colocados no Programa de Proteção a Testemunhas. 

Segundo o presidente do Tribunal de Defesa das Prerrogativas, Luiz da Penha Corrêa, a OAB/MT não vai se furtar de atuar com rigor no caso. “O fato deve ser visto com tristeza. Quando um PM impede o acesso de um advogado à sala de registro de boletins de ocorrências, ele está prejudicando de uma maneira geral toda uma sociedade que perde o seu direito a ampla defesa”, ressaltou.

 

Da Redação - Laura Petraglia

Comentários

Data: 10/03/2013

De: JOÃO DE SOUZA DA COSTA

Assunto: ADVOGADOS

ESSES PMS SÃO FODAS MESMO EM CARA. DEVERIA ERA DA UM CORO NESTES ADVOGADOS METIDOS A BESTA.JA QUE VÃO RESPONDER MESMO RESPONDE POR ALGO QUE VALE A PENA E NÃO POR SENTIMENTALISMO BESTA DE ADVOGADO.SE A PM NÃO MANDAR NEM EM SUA SALA DE OCORRENCIA VÃO MANDAR AONDE?

Novo comentário