08/03/2016 - Dia Internacional da Mulher: Lucimar Amorim chora e diz triste por ter que manter distancia da neta que o ama

08/03/2016 - Dia Internacional da Mulher: Lucimar Amorim chora e diz triste por ter que manter distancia da neta que o ama

Dor, revolta e luta por justiça. Esses são os sentimentos comuns da moradora e avó de São Félix do Araguaia – MT, Lucimar Paiva Amorim, que procurou a redação de “O Repórter do Araguaia”, para falar da dor e solidão que está sentindo da neta que criou até os 04 anos de idade. Lucimar revelou grandes fragilidades emocionais (tristeza e choro freqüente) acompanhado de solidão, saudade e amor de uma avó guerreira que está passando por momentos difíceis, após a sua filha Lucélia, casar e mudar para a cidade de Barra do Garças – MT, levando a neta junto. E hoje se ver obrigada a ter como companhia a saudade e a tristeza. Para ela, a saudade é dolorida, a ausência da neta é angustiante e o sentimento de solidão de toda a família.

 

De acordo com avó o desentendimento começou depois que foi visitar a neta em Barra do Garças, sentiu que sua filha estava diferente  ao recepcionar-la em sua casa e a neta o vê-lo correu e não quis abraçá-lo. “Não sei o que aconteceu com minha filha, mas é uma sensação bem estranha. Criei minhas filhas com muito amor e reconheço que a saudade de minha neta é maior dor que já senti na minha vida e que todo o dia pede a Deus que me dê forças para conseguir vencer essa situação. Eu sei que meu caminho interno é acolher, entender a minha filha em sua transformação é difícil aceitar os desníveis que aconteceu, fica este oco dentro de mim quando me pego pensando a saudade é imensa, já não sei o que fazer só me resta chorar e pedir a Deus que dê sabedoria para minha filha saber lidar com essa situação em que encontro com grande fragilidades emocionais (tristeza e choro freqüente) acompanhado de solidão, saudade, momentos difíceis e desunião”, enfatiza avó.

 

Avó revela que o vazio deixado na casa pela neta é insubstituível. “Não aceito, não me conformo e não desistirei da minha neta, enfatiza Lucimar, que chora copiosamente quando se lembra da neta. A ausência da minha neta cavou no meu coração um buraco que parece não ter fim. A dor que estou sentindo não tem dinheiro do mundo que pare, meu sofrimento é muito forte”, enfatiza a avó, que está com depressão. 

 

A avó também relata histórico de sofrimento, inconformismo e angústia. “Quanto mais o tempo passa, mais aumenta a saudade da minha neta, pois ela era criada por mim”, ressalta. “Até hoje eu me pergunto: por que a justiça fez isso comigo de ter que manter uma distancia de 100 metros dela ? Por que?”, indaga intrigada e inconformada.

 

Minha neta vivia bem em minha casa, a minha filha tinha e sempre terá o nosso amor, o nosso respeito e o nosso afeto. “Quero que a Justiça corrija essa injustiça deixando me aproximar da minha neta”, reivindica.  Lucimar enfatiza que a criança morava em sua casa em São Félix do Araguaia, de forma harmoniosa e solidária.

 

Segundo avó, espera que Deus tome conta da sua filha e que ela reflita tudo o que vem acontecendo, pois ama muito a sua filha, e espera que ela obedeça ao mandamento de Deus que é honrar pai e mãe. Ela relatou que a maior punição para uma mãe é o isolamento e a distância da sua netinha, sem poder ganhar o abraço da neta e o carinho da filha, que tanto aconselhou e orientou para trilhar sempre o caminho do amor e da paz. “Todos os dias penso em minha filha e neta e que somente consigo sobreviver às dificuldades, porque Deus nunca me abandonou, fazendo cada vez mais forte para vencer os obstáculos da vida. “Mesmo distante da minha mãe, reconheço que amo muito e jamais queria enfrentá-lo em tribunais, pois não foi isso que herdei da minha sábia mãe e ensinei para meus filhos. A Lucélia não devia ter feito isso comigo. Isso é injusto, desleal e doloroso.”, disse.

 

Grandes lembranças da mãe, avó, bisavó e líder da família dona Zilda Paiva de Amorim conhecida popularmente como dona Zilda, mãe de 11 filhos era uma pessoa querida pela a população de São Félix do Araguaia por ser simples e alegre. Alcançou tanto reconhecimento exatamente porque ela era a responsável por resolver todos os problemas. Ela tinha a forma de intermediar, de cobrar soluções, de resolver a paz no laço familiar. Ganhou reconhecimento não apenas por conta dos filhos. Ela tinha luz própria que refletia no saber viver, ensinando e educando a família Amorim, somando um carisma que vinha da alma e do coração representando, construído através da doçura e do comando dos filhos, netos e bisnetos, estando atenta a tudo a que era feito ao seu redor com liderança e sabedoria, deixou um vácuo difícil de ser preenchido na família e na cidade de São Félix do Araguaia. Com a falta da líder na família, tudo ficou diferente, cada um tomou rumos diferentes, e algumas atitudes que caso ela estivesse viva os rumos seriam outros e a união permanente. “Fica a lição de amor, de guerreira, uma mulher, avó e mãe exemplar. Fica a saudade e a certeza que ela está em um lugar bom. Isso também nos dá um conforto”.

 

A família Paiva Amorim é uma das mais tradicionais e respeitadas famílias são-félixcenses. As suas ligações políticas permitiram uma fábrica de vereadores a família que enfrentou desafio tornando benfeitores do município, principalmente no patrimônio moral, como grandes colaboradores dos movimentos sociais e religiosos. Coordenando planos de governo para as campanhas a prefeito municipais, contribuindo decisivamente para o Desenvolvimento do município, região e do Estado. Uma família atuante em todos os fatos importantes da história do município, tendo tido atuação fundamental na maior conquista de todos: a emancipação política, quando São Félix deixou de ser distrito para virar município, em 13 de maio de1976, através da lei estadual nº 3689, ao lado de outros grandes batalhadores, como o seu esposo e amigos estando sempre envolvida nos trabalhos realizados em prol do município.

 

Cabe ressaltar que na história entre mães e filhas, quando esta se torna mais difícil, mais conflitiva, não há vítimas nem algozes, apenas desencontro e tristeza. Há mães deprimidas, enlutadas, frustradas, incompreendidas pelas próprias mães, avós de suas filhas. Há um elo de tristeza que abrangem pelo menos três gerações (avó, mãe e filha), dor e frustração de não ter sido amada e reconhecida. Não é possível oferecer a uma filha o que não se tem o que não se herdou da própria mãe ou não se adquiriu ao longo da vida. Mas há possibilidade, há chance de que uma nova história seja construída, se essa herança esgarçada e inconsciente puder ser elaborada e não depositada no porão da próxima geração.

                                                                   


 


Vanessa Lima/O Repórte do Araguaia

Comentários

Data: 15/03/2016

De: Injustiça

Assunto: Falta de respeito com as pessoas más

Falta de respeito Pois dona lucimar. E
Uma Mulhe foi muito. Bem colocada
O dia internacional Dia da mulher

Data: 10/03/2016

De: amiga da Familia

Assunto: conselho amigo

Tenho certeza que se a Dona Zilda tivesse viva ela estaria muito contrariada com tudo isso, principalmente com você Lucimar que é filha dela e que ja é uma mulher vivida, deveria esta do lado de sua filha, a gente nao cria filhos para gente, e sim para o mundo, é muito triste ver isso entre vocês, ela é mãe da criança Lucimar e com certeza ela esta no direito dela, Gosto muito da Familia Paiva é uma Familia muito conceituada dentro de São Félix e é triste ver essas coisas acontecendo. Torço muito para um final Feliz.

Data: 10/03/2016

De: Beda cidadã juruna

Assunto: Falta de respeito com as pessoas más

Deviam respeita a vó Que criou com tonto carinho. E criou a FILHA tombe
Esta buscando só o direto de ver
A neta e uma. Filha muito ruim. Por Seus pai. Este homem não é. Né pai da criação. E muito feio Que filha faz COM seus pai

Data: 10/03/2016

De: Amiga

Assunto: Re:Falta de respeito com as pessoas más

A avó que deveria respeitar a filha, Gente a Lu sempre foi uma menina boa, também e agora a dona Lucimar perdeu a noção do ridículo, falando mal da filha, deixem a menina seguir a vida dela sossegada. Que Feio que estão fazendo com ela!

Data: 10/03/2016

De: Índia velha

Assunto: Materia

Vc realmente conhece ela? A lu e de familia muito educada inteligente doida e a mae dela que denuncia a filha ...absurdo vai trabalhar gente !

Data: 10/03/2016

De: Índia velha

Assunto: Materia

Gente a familia Paiva e muito respeitada em são felix ...tome vergonha Lucimar e vai rezar por que já ta feio quem cuida de filho e mae

Data: 10/03/2016

De: Anônimos

Assunto: Materia

Vá arrumar um trabalho a senhora ta ficando e louca

Data: 09/03/2016

De: S.F.A

Assunto: Affs

rapazz... essa senhora ai tem mais é que curtir a vida dela... deixa a Menina criar a filha dela.

Data: 09/03/2016

De: ana

Assunto: Re:Affs

Sera que a senhora vai ter realmente paz pra curti a vida!!!

Data: 10/03/2016

De: vida louca

Assunto: Re:Re:Affs

DO JEITO QUE ELA TA FAZENDO COM A FILHA DELA, ELA NAO VAI TER PAZ NA VIDA É NUNCA. LOUCURA TOTAL

1 | 2 | 3 | 4 | 5 >>

Novo comentário