08/04/2014 - Soja importada de Mato Grosso começa a chegar aos Estados Unidos

Um navio modelo Panamax com 75 mil toneladas de soja em grão produzida em Mato Grosso e embarcada no Porto de Santos, em meados de março, chegou aos Estados Unidos, neste final de semana, segundo reportagem da Agência Reuters de Notícias, feita a partir de Chicago.

A carga é a primeira de dezenas que devem partir do Brasil rumo àquele país nesta safra 2013/14. Isso por que os Estados Unidos devem importar cerca de 952 mil toneladas de soja na temporada, segundo dados do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (Usda, na sigla em inglês).

O país está importando soja a granel para suprir a necessidade das esmagadoras de grãos, já que houve queda de safra no último ciclo devido à problemas climáticos. Conforme o Usda, o Brasil ultrapassou os Estados Unidos no volume de produção e agora também é fornecedor para algumas indústrias.


Maggi e multinacionais articulam para que MT tenha quatro ferrovias
Exportações de soja e carne bovina batem recorde no primeiro trimestre

Outro fator que faz a soja de Mato Grosso entrar nos Estados Unidos é a gripe aviária na China, que nos dois primeiros meses do ano causou prejuízos ao setor e impactou em 20% o consumo de ração à base de farelo de soja. Isso tem levado grandes empresas importadoras da oleaginosa a traçar estratégias para evitar prejuízos. Com menos frangos para alimentar, as indústrias chinesas de ração diminuíram o ritmo de esmagamento.

De acordo com uma fonte chinesa Reuters, há traders tentando cancelar compras de cargas de soja feitas no Brasil e com carregamento previsto para abril e maio. Fala-se em até 30 navios modelo Panamax, o que pode ultrapassar 1.8 milhão de toneladas.


No final do mês de março, uma grande importadora que comprou 360 mil toneladas de soja em Mato Grosso estava negociando com indústrias dos Estados Unidos. "Ainda estamos negociando preços. Eu acredito que todas as cargas serão vendidas ao mercado dos EUA, é só uma questão de preço", disse o executivo, à Reuters.

 

Alexandre Alves

Comentários

Nenhum comentário encontrado.

Novo comentário