08/06/2015 - "Hoje em dia, os tempos mudaram: oposição está fora de moda"

O deputado estadual Gilmar Fabris (PSD), líder do bloco oposicionista na Assembleia Legislativa, defendeu que o Poder Legislativo trabalhe em conjunto com o Executivo.

Isso porque ele entende que não há mais espaço para que parlamentares façam a chamada “oposição por oposição”. 

“Hoje em dia, os tempos mudaram. Por exemplo: essa história de oposição de Governo na Assembleia não funciona mais. Isso é demodê [fora de moda]. Todo mundo junto não dá conta de fazer, imagina com oposição”, afirmou.

Para Fabris, o Parlamento deva atuar de modo unido na apreciação das mensagens enviadas pelo Palácio Paiaguás.

“O Governo deve ter todos contra ou todos a favor em questões pontuais. Quando vier com um projeto que não agrada e que não atende aos interesses da população, os deputados devem ser contra. Mas isso não significa que esses contrários sejam oposição”, disse. 

“Antes, se fazia oposição por fazer. Atrasavam-se os projetos, se pedia vista etc. Hoje, sequer tem alguém querendo disputar eleição para Governo daqui alguns anos. Veja se Mauro Mendes ou Wellington Fagundes querem disputar... Quer se o cavalo estiver arriado, e não tiver outro para correr do lado”, afirmou.

Avaliação

Além disso, o deputado Gilmar Fabris afirmou que, atualmente, não há motivos para se ter oposição na Assembleia.

Ele avaliou de modo positivo os primeiros 150 dias do mandato do governador Pedro Taques (PDT), assim como de seu secretariado.

Entre os destaques, para Fabris, está o secretário de Estado de Segurança Pública, Mauro Zaque.

“Acho que, assim que você pega um Governo, há a necessidade de se fazer uma análise da situação. Isso já foi feito. Agora, é hora de por o pé na estrada e trabalhar. Assim como o secretário de Segurança está trabalhando, está mostrando serviço”, disse.

“Então, o Governo tem que soltar as obras, porque, por exemplo, dos quatro anos de mandato, ao menos um ano é de chuva. Por isso, entendo que tem que soltar as obras. Estive em uma reunião com o governador e sai de lá feliz com o que ele me disse sobre seu projeto”, afirmou.

Para o parlamentar, a principal diferença entre o secretariado das gestões passadas para a atual é que o staff de Taques não tem “aspirações políticas”.

“Eles têm dois motivos de elogio. O primeiro é o atendimento. Se você ligar, eles retornam, imediatamente. O outro é que não são aparecidos. Não sei se receberam lição ou se são assim, mas eles são belos profissionais executivos”, disse. 

“Porque nós fizemos política sempre trazendo o companheiro político. Então, a pessoa entra querendo ser político. Dou vários exemplos, você procurava o Cidinho Santos, ele já queria ser deputado e te cortava, depois virou suplente de senador. Eles atendiam ao telefone já no empurrômetro. Agora não, o tratamento é sério”, completou.

 

 

Douglas Trielli 
Da Redação

Comentários

Nenhum comentário encontrado.

Novo comentário