08/07/2015 - ESPN define Cuiabá como "caso mais complicado" da Copa no Brasil

 

Mais de um ano após o começo da Copa do Mundo de 2014, as cidades-sedes ainda encontram dificuldades para finalizar o que foi prometido como legado, principalmente na mobilidade urbana. Até o momento, 25% das obras foram entregues com 100% de conclusão.

 

Em 2010, foi divulgada a primeira Matriz de Responsabilidades, que mostra os valores que precisam ser investidos no evento e que define o papel dos governos federais, estaduais e municipais na liberação de recursos. No primeiro documento, foram anunciadas 76 obras (somados aeroportos e portos) nas 12 capitais que receberam partidas. Só que com o passar do tempo, algumas das construções mudaram, outras saíram dos planos e apenas 19 estão 100% prontas.

 

O caso mais complicado está em Cuiabá. Além da Arena Pantanal e do aeroporto, a capital do Mato Grosso ficou de entregar mais três trabalhos em mobilidade. Até o momento, nenhum foi concluído.

 

O principal problema é o VLT (Veículo Leve sobre Trilhos). A obra, prevista para dezembro de 2013 e com valor superior a R$ 1 bilhão, está paralisada desde o fim de 2014 e longe de uma conclusão.

 

Com a troca de gestão no Governo do Estado, começaram as audiências de reconciliação com o Consórcio responsável pelo serviço. De acordo com o Governo do Mato Grosso, a construção, que pretende ligar Cuiabá a Várzea Grande, deve voltar ao normal em breve. Além disso, já foi repassado mais de R$ 1 bilhão para o Consórcio. O prazo de conclusão pode ultrapassar o ano de 2018.

 

Outra cidade que enfrentou problemas foi Porto Alegre. De 10 obras prometidas, duas saíram da Matriz de Responsabilidade e apenas uma está pronta: a do corredor Padre Cacique/Avenida Beira-Rio, que foi entregue em maio de 2014.

 

Já Curitiba teve um caso peculiar. Três obras foram divididas entre Prefeitura e Governo, situação que fez com que a conclusão de todas fosse apenas parcial.

 

A situação das obras nos aeroportos também não é das mais animadoras. Apesar do funcionamento durante a Copa, boa parte dos trabalhos ainda não terminou e alguns estão sem prazo de finalização.

 

 

De acordo com a Infraero, os aeroportos de Belo Horizonte, Cuiabá e Fortaleza estão com as reformas paralisadas em alguns pontos. Apenas Guarulhos (SP) e Manaus (AM) completaram totalmente as tarefas.

copa-espn.jpg

 

A capital do Mato Grosso é uma das que mais encontraram dificuldades para completar as obras. A Arena Pantanal foi a única a ser entregue, mesmo com quase um ano e meio de atraso.

 

Todas as demais promessas encontram problemas para serem concluídas. O caso mais grave é o do VLT Cuiabá/Várzea Grande. Alvo de CPI, o projeto, inicialmente previsto para terminar em junho de 2013, está paralisado e só deve ser retomado após a resolução de um imbróglio entre o governo local e o Consórcio responsável pela obra.

 

De acordo com o governo estadual, a expectativa é que em breve seja realizada uma audiência de conciliação junto à Justiça Federal. O prazo de conclusão pode ultrapassar 2018. Outra obra paralisada é a do Aeroporto internacional Marechal Rondon. Apesar de ter parte do projeto realizado e funcionando, não há data para entrega 100% do que foi estipulado na Matriz de Responsabilidade

 

 

ESPN

.

Comentários

Nenhum comentário encontrado.

Novo comentário