08/08/2016 - Maria Helena Póvoas adverte sobre crimes eleitorais e diz que alguns candidatos podem “ganhar e não levar”

08/08/2016 - Maria Helena Póvoas adverte sobre crimes eleitorais e diz que alguns candidatos podem “ganhar e não levar”

Quem esperar moleza do Tribunal Regional Eleitoral (TRE) e insistir em velhas práticas, como caixa dois e compra de votos, corre sério risco de se eleger em não assumir o mandato. A advertência partiu da presidente do TRE, desembargadora Maria Helena Gargaglione Póvoas, para centenas de candidatos a prefeito e vereador, durante o evento ‘Eleições 2016’, no auditório da Escola de Contas Oscar Ribeiro.
 
Embora admita que muitos não saibam prestar contas, notadamente nos pequenos municípios, a Justiça Eleitoral terá tolerância zero. “O TRE adotou  uma série de medidas e desenvolveu ferramentas para detectar caixa dois de campanha eleitoral, tentativas de fraude e compra de votos. Como o apoio da população, a Justiça Eleitoral busca fechar o cerco à corrupção eleitoral em Mato Grosso”, disparou ela.

 

“Os juízes eleitorais estão alertas para as tentativas de burlar a legislação e os candidatos que se aventurarem em práticas ilegais poderão sofrer sérias conseqüências”, emendou a presidente do TRE.
 
Maria Helena Póvoas também cobrou seriedade do eleitorado, notadamente de quem  reclama dos problemas sociais enfrentados na sua rotina, nas áreas de educação e saúde públicas, por exemplo, mas nas eleições vende seu voto sem pensar nas conseqüências. A desembargadora argumentou que é necessário alertar esse eleitor de que, além de contribuir para a continuidade dos problemas sociais que tanto afligem sua família, ele também comete crime ao vender seu voto e será responsabilizado perante a Justiça Eleitoral.
 
A presença da mulher humaniza o pleito, na análise de  Maria Helena Povoas, ao cobrar mais candidatas do sexo feminino. “As mulheres não devem se sujeitar a ser massa de manobra de representantes partidários que utilizam seus nomes como candidatas laranja, apenas para cumprir a cota de candidaturas femininas, sem prestar a contrapartida de apoio e orientação a estas candidaturas”, protestou a presidente do TRE.
 
“Muitas fazem isso sem saber das consequências, como obrigatoriedade de prestar contas, por exemplo”, reconheceu  Gargalione Povoas
 
Desde o ano passado, Maria Helena Póvoas tem mantido  reuniões de trabalho com juízes eleitorais de todo o Estado para discutir providências a serem adotadas nas eleições.

Da Reportagem Local - Ronaldo Pacheco