09/02/2011 08h:46 CRM interdita médico acusado de vender atestados falsos a servidores

O Conselho Regional de Medicina (CRM), em reunião encerrada há pouco, decidiu interditar o médico psiquiatra Ubiratam de Magalhães Barbalho, acusado de emitir e vender atestados para funcionários públicos e policiais militares que não estavam doentes.
Segundo apurou o Olhar Direto, a votação foi praticamente unânime e a interdição cautelar é válida por seis meses, podendo ser prorrogada pelo mesmo período. No total, o médico pode ter 'vendido' centenas de licenças médicas com algum tipo de irregularidade.
Uma comissão especial foi instaurada pelo governo para analisar as concessões feitas por Barbalho. Seis auditores estaduais vão analisar as licenças concedidas ao longo dos últimos três anos.
Ubiratan foi investigado pela Corregedoria da Polícia Militar, que utilizou-se da equipe da inteligência para flagrar o médico nas ações de falsificações. Ele foi filmado por três policiais que pediram licença sem estarem doentes.
As situações filmadas era hipotéticas e criadas pelo grupo de investigação. Nas filmagens, o médico aparece concedendo atestados e até mesmo medicamentos sem nenhuma análise mais detalhada do paciente.
O médico apostava na impunidade e chegou a ironizar seus atos com a frase: “os coronéis me amam”. Na justiça comum, ele deverá responder por falsidade ideológica e até mesmo tráfico, devido a liberação dos medicamentos.

Da Redação - Marcos Coutinho