09/02/2011 17h:16 Revoltados, usuários reivindicam asfalto da antiga BR 080, entre o Xingu e o Araguaia

Estradas sem condições de tráfego consistem num dos principais problemas enfrentados pela população da região Araguaia e do Xingu, em Mato Grosso. Um dos trechos mais dramáticos fica entre o entroncamento da MT 322, antiga BR-080, no Posto do Arnô, e o Posto do Bituca, em São José do Xingu.

 

Foto: Sandra Carvalho

Na seca, a poeira tira a visão e oferece riscos de acidentes

Esse trecho compreende uma extensão de aproximadamente 200 km responsável por uma produção de cerca de 100 mil ha de soja, e um rebanho imenso que abastece os frigoríficos de Água Boa, Barra do Garças e Paranatinga.

O comerciante de Ribeirão Cascalheira, Weverton Zanon, que percorre periodicamente a região há nove anos vendendo produtos agropecuários e transportando insumos agrícolas, se diz indignado. Segundo ele, o fato de terem asfaltado a estrada de acesso a Querência e de Ribeirão à Vila Campinas tem sido usado como propaganda para dizer que o asfalto está chegando a todo o Vale do Araguaia.

Ele conta que os usuários da antiga BR 080 estão levando cinco horas para percorrer o trecho de 60 km entre o Posto Arnô e a Fazenda Vale do Boi (Niquelândia), fator que contribui para a desvalorização dos produtos da região porque, segundo ele, parte do lucro fica na estrada com o aumento do frete devido às condições da estrada.

“Na hora da compra do insumo é mais caro porque é pra entregar no Araguaia Xingu. Na hora de vender é mais barato porque tem que retirar do Araguaia Xingu. Isso faz com que investidores comecem a procurar novas fronteiras. Exemplo disso é o município de Luiz Eduardo Magalhães no estado da Bahia e em Uruçui no estado do Piauí, onde vários produtores que estão instalados nessas regiões estiveram por aqui entre os anos de 2001 – 2005 para se instalarem, e infelizmente a questão das estradas foi o fator principal para os afastarem daqui.

 

Contundente, o comerciante diz que a região não se resume apenas ao grupo MAGGI.  “O que podemos notar é que os problemas de estradas foram sanados somente até aos acessos as propriedades do referido grupo”, ressalta o comerciante, lembrando que há muito a população reivindica mais atenção dos governantes para a antiga BR 080. “Uma região que tem um potencial agrícola e pecuário muito grande, mas que vem ficando há anos esquecida”, frisa Zanon, ainda mais preocupado porque nos próximos quatro anos o Araguaia não terá um representante legítimo na Assembleia Legislativa de Mato Grosso.

 

Foto: Água Boa News

No período chuvoso, o tráfego fica lento e gera prejuízos

Nos últimos quatro anos a região teve representantes na Assembleia, mas que, infelizmente, não acrescentaram em  nada, pois só trabalham em benefício próprio”. O comerciante fica ainda mais indignado por saber que vários políticos “influentes” no Estado tem propriedade no Araguaia e nada fazem pela região.

Zanon faz questão de esclarecer que seu desabafo visa unicamente defender que tanto proprietários de terra como trabalhadores que apostaram e apostam na região do Vale do Araguaia e Xingu, tenham o mínimo de dignidade. “Não é justo as pessoas ficarem ilhadas todos os anos no período da chuva por que as pontes rodam e as estradas viram atoleiros, e época da seca enfrentam a poeira”, conclui o comerciante, lamentando que os políticos só apareçam na região para pedir voto e que o turismo, outro grande potencial do Araguaia, não seja valorizado. “Mas eu ainda tenho esperanças de dizer um dia que tenho orgulho de morar no Xingu, no Vale do Araguaia”. (com Água Boa News)