09/05/2011 - 08h:00 Piloto diz à polícia que Marrone pilotou helicóptero antes da queda

 O cantor Marrone, da dupla sertaneja Bruno e Marrone, pilotou o helicóptero modelo esquilo em trechos do trajeto entre Curitiba e São José do Rio Preto, a 438 km de São Paulo, segundo o piloto Almir Bezerra. Na segunda-feira (2), pouco após levantar voo, a aeronave em que Marrone viajava caiu no município paulista e ficou completamente destruído. O cantor teve ferimentos leves.


A reportagem do Fantástico teve acesso ao depoimento do piloto, em que ele diz que em alguns trechos antes da parada para o abastecimento o cantor Marrone pilotou o helicóptero. A justificativa do piloto é a de que Marrone está aprendendo a pilotar.

A reportagem apurou ainda que o cantor fez exames de saúde e provas teóricas, mas ainda não concluiu o curso. Portanto, ele só poderia pilotar no chamado voo de instrução, que é uma aula prática. Em um voo de instrução, o aluno fica do lado direito e o professor, do esquerdo, exatamente como no acidente com Marrone. Mas neste tipo de voo não pode haver passageiros e o primo do cantor, Jardel, estava na aeronave.

Além disso, o piloto que orienta o aluno precisa ser instrutor certificado, o que Almir não é.
Fantástico: “Ele disse que ele é um instrutor?”
Delegado José Luiz Chain: “No caso, ele estava atuando como instrutor do Marrone”.
Fantástico: “Apesar de não ter a documentação de instrutor?”
Delegado Jose Luiz Chain: “Apesar de não ter a documentação de instrutor.”
Mesmo assim, o piloto garante que era ele quem estava no comando durante a queda do helicóptero, e não Marrone. “Não é comum uma pessoa estar do lado direito e não estar pilotando. Quem está sentado do lado direito normalmente é o piloto da aeronave”, afirmou o presidente da Associação de Pilotos de Helicópteros, Rodrigo Duarte.
“É imprescindível que se determine quem estava comandando a aeronave para se posicionar quem é vítima e quem é o autor”, ressaltou o delegado Chain.
Se ficar provado que Marrone comandava o helicóptero no momento da queda, ele poderá responder pelos crimes de lesão corporal, porque o acidente teve vítimas, e de pilotar sem habilitação. Nesta semana, Marrone deve prestar depoimento à polícia, que tem 30 dias para concluir o inquérito.

Marrone volta aos palcos na sexta-feira (14). Na quinta-feira (5), Bruno se apresentou sem ele, que só apareceu no telão do show em São Paulo. “Estou um pouco abalado pela tragédia. Eu levei um susto muito grande, mas o que eu posso dizer é que, felizmente, Deus poupou minha vida. Se Deus quiser, eu vou me recuperar e eu vou estar junto de vocês”, disse para o público.

A reportagem do Fantástico reconstituiu os detalhes deste acidente e explica por que Marrone passou de vítima a investigado. No domingo (1º) à noite, Bruno e Marrone cantaram na festa do Dia do Trabalho, em Curitiba. No dia seguinte, às 10h, sem o parceiro, Marrone embarcou no helicóptero modelo esquilo, que comprou há dois anos. O destino era Goiânia, com parada em São José do Rio Preto para reabastecimento.

A aeronave pousou em Rio Preto com o piloto Almir Bezerra, Marrone, e o primo dele, Jardel Borges. Às 14h30, decolou para Goiânia. Dois minutos depois, perdeu potência. A queda foi a apenas 800 metros da decolagem.

Segundo testemunhas, o helicóptero passou por cima de um centro de exposições, que é uma área bem grande, e foi bater em uma árvore, caindo em um canto, onde ele destruiu um curral e um alambrado.

“Tinha uma pessoa que estava saindo meio engatinhando, que era o Marrone. Perguntei para ele se ele estava bem, ele gesticulou que sim. Foi nesse momento que ele olhou, parou e ficou meio estático olhando para os amigos que estavam no chão”, lembrou a assistente social Patrícia Araújo.

O piloto teve a perna esquerda decepada. O outro passageiro, Jardel, sofreu ferimentos graves e traumatismo craniano. Marrone recebeu alta na quarta-feira (4). Foi quando começou a polêmica. Uma testemunha disse que viu Marrone sentado do lado direito helicóptero, local destinado ao comandante. O próprio cantor e o piloto Almir confirmaram. “Eu estava do lado esquerdo, mas a aeronave tem duplo comando, você pode voar de qualquer um dos lados. O Marrone estava do lado direito”, disse.

Um especialista explica que, no duplo comando, duas pessoas podem acionar os controles. Mesmo assim, o piloto deve sempre se sentar do lado direito. “Os comandos são instalados de forma que, sentado do lado direito, o piloto consiga com o mínimo de movimento de cabeça visualizar todos os instrumentos na sua totalidade. Do lado esquerdo, ele não consegue ter o mesmo tipo de visão”, apontou o presidente Associação de Pilotos de Helicóptero, Rodrigo Duarte.

 

Globo/Fantástico

Comentários

Nenhum comentário encontrado.

Novo comentário