09/07/2011 – 08h:35 Deficiente visual é preso e torturado no Mato Grosso por roubo que não cometeu, afirma defensora pública

Um deficiente visual aposentado pelo INSS foi preso e submetido a tortura por policiais civis da delegacia municipal de Bom Jesus do Araguaia (a 983 km de  Cuiabá). A denúncia foi feita pela defensora pública Maria Lúcia Prati, que também é autora da ação por danos morais a ser movida por Uelton Santana de Lima, 22 anos. O anúncio da ação foi feito nesta quinta-feira (07).

Segundo a defensora, no último dia 28 de abril, Uelton, que tem a visão esquerda nula, e a direita, com 70% de deficiência, viajava na garupa de uma motocicleta da cidade onde mora, Ribeirão Cascalheira, para Bom Jesus do Araguaia. No trajeto de 150 quilômetros ele e o piloto foram parados por uma barreira da Polícia Civil, que, naquela região, costuma promover esse tipo de operação em estradas secundárias.

Policiais descobriram que a moto tinha sido roubada em Canarana, município que faz parte da região. O piloto da moto e o deficiente foram levados para a delegacia de Bom Jesus, onde foram indiciados por roubo, colocados de volta no carro da polícia e levados para Ribeirão, já que em Bom Jesus não há celas.

O piloto da moto confessou ter roubado o veículo. Uelton disse que apenas conhecia o motociclista e havia pagado a ele R$ 100 para levá-lo a Bom Jesus. Os policiais não teriam acreditado na história do rapaz e, no trajeto, pararam o carro num canavial e começaram a sessão de torturas.

Uelton e o piloto da moto teriam sido esmurrados no rosto e agredidos com socos no peito e no estômago. Segundo o deficiente visual, os policiais colocaram um saco plástico na cabeça dele e perguntaram qual era a participação no roubo da motocicleta. Ele voltou a negar, mas a tortura se intensificou.

Após quase uma hora de espancamento, os dois foram colocados na viatura e levados para Ribeirão. Na delegacia, os suspeitos foram recebidos sem que antes fossem submetidos a exames de lesão corporal, que é ato rotineiro quando uma pessoa passa para a custódia da polícia.

Defensoria pública

Alguns dias depois, a família de Uelton soube que o rapaz estava preso, procurou pela Defensoria Pública e foi atendida pela defensora Maria Lucia Prati. Segundo ela, Uelton ficou preso até final de maio, mesmo depois da comprovação de que o jovem não tinha envolvimento com o roubo da moto.

“Aparecem muitos casos de denúncias de tortura, mas este conseguimos provar por meio de exames realizados uma semana depois da prisão”, disse Maria Lúcia. Em princípio, a família não queria divulgação do caso por temer represálias de policiais civis da região. Mas, no início desta semana, eles procuraram a defensora e se mostraram dispostos a entra com ação de reparação por danos morais cometidos contra Uelton.

A defensora afirmou que o rapaz estava muito machucado no rosto. “O único olho, que funciona com deficiência, foi atingido”, disse Prati, que ainda não sabe se o aposentado vai perder a visão, já que novo exame no local será feito em alguns dias.

Outro lado

O delegado de Polícia do Interior Jales Batista informou que ainda não recebeu informações sobre a suposta tortura cometida por policiais civis. Segundo Batista, assim que obtiver formalização da denúncia, ele deve remeter o inquérito para a Corregedoria-Geral e verificar quem são os acusados para tomar medidas administrativas, como o afastamento.

 

Jorge Estevão
UOL Notícias

 

Comentários

Nenhum comentário encontrado.

Novo comentário