09/08/2011 - 09h:15 Riva: Estado precisa passar por uma avaliação profunda

Para presidente negociações foram mal conduzidas. Servidores da Sema pede 15% de reajuste salarial mais a incorporação da verba indenizatória nos salários

O presidente da Assembleia Legislativa, deputado José Riva (PP), considerou produtiva a segunda rodada de negociações entre Governo do Estado e grevistas. Contudo, reafirmou que o estado não vai bem e a Assembleia jamais pressionará o Executivo a trocar o secretariado. Lembrou que as negociações com grevistas foram equivocadas quando o governador Silval Barbosa disse que não negociaria com servidores em greve. “Foi mal conduzida e os reflexos vêm agora. O estado precisa passar por uma avaliação profunda”, disse, após três horas de reunião com servidores da Secretaria Estadual de Meio Ambiente e Governo do Estado, ontem (08).

Com a presença de deputados, secretários de Estado, Cesar Zílio (SAD) e Alexander Maia (Sema), os representantes do Sindicato dos Trabalhadores e Entidades Públicas de Meio Ambiente de Mato Grosso (Sintema) não saíram satisfeitos da reunião e decidem hoje, em assembléia geral, a continuação ou não da greve. Nesta terça (09) será a vez dos servidores da Polícia Civil, na presidência da AL, às 15 horas. Amanhã (10), a reunião será com a Polícia Militar.

Riva disse que tão importante quanto ceder, o diálogo deve ser priorizado, pois se o governo não dá abertura para isso, acaba perdendo. Ele considera as reuniões um grande avanço, inclusive, uma oportunidade a mais para que os deputados acompanhem a realidade de cada categoria em greve. Também informou que a verba indenizatória deve ser extinta e que o entendimento melhora a relação entre o governo, Assembleia e secretários. “Sempre defendi o diálogo. Vamos chegar ao entendimento e a categoria voltará ao trabalho”, destacou.

Uma das ações que precisa ser repensada, segundo Riva, se refere à condução dos Consórcios Intermunicipais, emperrado desde que os prefeitos perderam a autonomia para gerir, por exemplo, o uso das máquinas destinadas à recuperação de estradas. Riva também questionou as obras lançadas e que até o momento não foram executadas.

O secretário César Zílio [Secretaria de Administração] disse que, mesmo sem avanço, o governo está aberto ao diálogo. “Foi uma reunião longa, muito produtiva e nos próximos dias teremos mais negociações”, garantiu. O Governo oferece a incorporação da verba indenizatória em três anos, o que representa 23% em 2011, 20% em 2012 e 18% em 2013, mais a reposição salarial. Zílio reafirmou que o orçamento estadual trabalha no limite. “Não podemos comprometer a folha de pagamento em função de determinada categoria”.

GREVE – Após três horas de negociações com o Governo, sem êxito, o presidente do Sintema, José Benedito de Jesus, disse que já apresentou seis propostas. “Infelizmente, não chegamos ao consenso”. Um dos entraves é a Verba Indenizatória, que o governo propôs a pagar em três anos. Os grevistas também poderão ter o ponto cortado”, reforçou.

De acordo com Jesus, na última proposta a categoria pediu 15% de reajuste salarial e a incorporação da verba indenizatória nos salários. Dos 419 servidores, 310 são sindicalizados. No entanto, os trabalhos não foram totalmente paralisados porque a Sema tem mais 572 funcionários terceirizados e comissionados. A greve foi deflagrada no último dia 21 de junho.

A comissão do Sintema, que participou da reunião, foi composta também pelos servidores: Murilo Covezzi – porta-voz do comando de greve, Eulinda Lopes, Osmar Prado e Julio Cesar Arraes.

 

ITIMARA FIGUEIREDO
Assessoria da Presidência

Comentários

Nenhum comentário encontrado.

Novo comentário

OS COMENTÁRIOS É DE TOTAL RESPONSABILIDADE DOS INTERNAUTAS QUE O INSERIR. O REPÓRTER DO ARAGUAIA ONLINE RESERVA-SE O DIREITO DE NÃO PUBLICAR MENSAGENS COM PALAVRAS DE BAIXO CALÃO, PUBLICIDADE, CALÚNIA, INJÚRIA, DIFAMAÇÃO OU QUALQUER CONDUTA QUE POSSA SER CONSIDERADA CRIMINOSA. OS COMENTÁRIOS QUE CONTER NOS ITENS CITADOS ACIMA SERÃO EXCLUÍDOS. TODOS OS COMENTÁRIOS SÃO ARQUIVADOS ATRAVÉS DO IP E SERVIRÃO DE PROVAS CONTRA AQUELE QUE USAR ESTE MEIO DE COMUNICAÇÃO.