09/09/2015 - Professores da rede pública decidem encerrar greve em Cuiabá após 8 dias

 

Os professores da rede municipal de ensino de Cuiabá decidiram nesta terça-feira (8) encerrar a greve da categoria, que já durava oito dias. A decisão foi tomada em assembleia geral dos servidores, cuja paralisação foi considerada ilegal pela desembargadora Nilza Maria Pôssas de Carvalho, do Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT), no último dia 2. De acordo com o Sindicato dos Trabalhadores da Educação Pública (Sintep), as atividades nas unidades educacionais já serão retomadas normalmente nesta quarta-feira (9).

 

Segundo o presidente do Sintep, João Custódio, a categoria – que reivindicava reajuste salarial de 3% - decidiu aceitar a proposta feita pela Prefeitura, de aumento salarial na ordem de 2,3%. O percentual havia sido recusado na última assembleia da categoria.

 

De acordo com Custódio, a proposta do poder municipal também abrangeu outros pontos da pauta de reivindicações, como a cobrança pela realização de concursos públicos e a revisão da lei orgânica da categoria, restando de fora apenas a exigência por reformas nas unidades educacionais. Este ponto deverá ser objeto de protesto liderado pelo sindicato no dia 22 de outubro, adiantou Custódio.


A decisão por acatar a proposta da Prefeitura e retomar as atividades nas escolas foi tomada pelo sindicato após a greve ter sido duas vezes declarada ilegal pela Justiça. A primeira decisão judicial apontando ilegalidade na paralisação foi do dia 2 de setembro, logo no segundo dia da greve, por parte da desembargadora Pôssas de Carvalho.

 

À decisão seguiu-se uma assembleia geral dos servidores, no dia 3, reunião na qual os trabalhadores decidiram manter a paralisação. No dia 5, a mesma magistrada determinou que a greve fosse encerrada imediatamente emultiplicou por dez o valor da multa diária a ser aplicada em caso de descumprimento da decisão.

 

Nesta terça-feira, antes mesmo da realização da assembleia do Sintep, a Prefeitura de Cuiabá lançou um apelo aos professores para que eles votassem pelo retorno às salas de aula.

 

Em nota, a Prefeitura alegou que os profissionais da educação já obtiveram, desde julho, reposição das perdas inflacionárias em 9,31%. Já o novo reajuste salarial, com aumento de 2,3% em ganho real, deverá ser pago a partir de janeiro de 2016, anunciou a Prefeitura. Além disso, a nota aponta que a greve já estava com baixa adesão – 111 das 151 escolas municipais de Cuiabá, segundo a Prefeitura, funcionaram nesta terça-feira normalmente.

 

 

Renê DiózDo G1 MT

Comentários

Nenhum comentário encontrado.

Novo comentário