10/03/2015 - Assembleia Legislativa cumpre promessa e prorroga em um ano validade de concurso

A Mesa Diretora da Assembléia Legislativa de Mato Grosso (ALMT) cumpriu a promessa feita com os aprovados no concurso da Casa de Leis e resolveu prorrogar em um ano a validade da prova. O Edital de Prorrogação, assinado pelo presidente da ALMT Guilherme Maluf (PSDB), consta no Diário Oficial do Estado (DOE) que circula nesta terça-feira (10). O dilatamento do prazo já havia sido anunciado pelo tucano.

 

Consta na publicação que a Mesa Diretora: “resolve prorrogar por 01 (um) ano, a contar da data de publicação do presente Edital de Prorrogação, o prazo de validade do Concurso Público atinente ao Edital nº 01, de 27 de setembro de 2013, homologado em 16 de abril de 2014, consoante publicação no Diário Oficial do Estado nº 26273, de 16 de abril de 2014”. Sendo assim, a validade foi postergada para março de 2016.

 

Como noticiou o Olhar Direto, o presidente da Casa de Leis já havia anunciado que tomaria esta medida. Os deputados também estão tomando diversos cuidados para o preenchimento de cargos comissionados, já que o objetivo é reduzir os gastos na Assembléia Legislativa. A reforma administrativa que vai ser implementada pelo governo de Mato Grosso prevê economia de quase R$ 150 milhões, por ano.

 

Um estudo feito pelo economista Pablo Esperandio Santos Muniz, que foi aprovado no último concurso da Assembléia Legislativa de Mato Grosso (ALMT), apontou que a remuneração de um cargo comissionado na Casa de Leis pode custar pelo menos 200% a mais do que o salários de um servidor efetivo. Além disto, o custo da nomeação dos aprovados seria de apenas 6,41%, em comparação com a folha de pagamentos do ano passado.

 

Vale lembrar que os aprovados no concurso da Casa de Leis ‘brigam’ há algum tempo para que sejam chamados. A assessoria de imprensa da Assembléia Legislativa informou ao Olhar Direto que todos os aprovados já foram chamados, e já foram convocados cerca de 30 do cadastro de reserva. A mesa diretora recebeu o estudo supracitado e anexou ele nos trabalhos da comissão de reforma administrativa.

 

 

Da Redação - Wesley Santiago

Comentários

Nenhum comentário encontrado.

Novo comentário