10/04/2015 - Ministro autoriza construção de Usina Termelétrica no Araguaia

O Ministro de Minas e Energia Eduardo Braga autorizou nesta quarta-feira, 08.04, a instalação de uma usina termelétrica no Norte Araguaia. A decisão foi tomada durante audiência em Brasília, com a presença dos senadores Blairo Maggi e Wellington Fagundes, o deputado Baiano Filho, o secretário de Desenvolvimento Regional Eduardo Moura e 18 Prefeitos do Araguaia.

Em médio prazo, a unidade garantirá o reforço na oferta de energia, equilibrando o sistema e amenizando as recorrentes interrupções no fornecimento elétrico. O aval é resultado de uma serie de debates travados nos últimos meses entre a classe política e produtores que cobram melhorias no abastecimento, e representantes da Energisa e Eletronorte.   

O próximo passo será a definição dos critérios para abertura de leilão à iniciativa privada. Mesmo com a injeção de capital privado, a térmica levará ainda cerca de um ano e meio para entrar em funcionamento. A expectativa é pela geração de aproximadamente 20 megawatts, suficiente para garantir a estabilidade do sistema. Técnicos da Energisa alertam que o equilíbrio será temporário, uma vez que estará diretamente relacionado a ampliação do consumo na região, que tem no crescimento do agronegócio seu principal consumidor. Estudos de viabilidade irão apontar o local mais adequado para instalação da unidade, que poderá ser em Vila Rica ou Querência.

“Certamente uma grande vitoria para o Araguaia, os ganhos são imensuráveis, a região ganha não apenas com a garantia de condições para a produção, teremos ali mais uma empresa que contribuirá com impostos, com a geração de emprego e renda, garantiremos tranqüilidade aos moradores, aos comerciantes que a cada queda de energia amargam prejuízos, ao pequeno produtor que aguarda pela ligação do Luz para Todos, enfim, não importa se Querência ou Vila Rica, quem ganha é a região, e o ministro foi sensível em nos entender”, comemorou Baiano.

Eduardo Braga também se comprometeu em acelerar as obras de duplicação da rede de distribuição partindo de Ribeirãozinho chegando até Água Boa, cuja entrada em operação está prevista para 2017. A ANEEL também busca viabilizar a implantação de uma linha de transmissão de Paranatinga até Canarana. Em será realizado um novo leilão para sondagem de interessados na rede. A meta é de que a implantação seja finalizada até 2019.

Outro importante investimento é a instalação de um compensador sincro-dinâmico no município de Confresa. O equipamento no valor de R$ 63 milhões garantirá a estabilização do sistema, evitando oscilações. Sua instalação ainda levará cerca de um ano e meio. O Araguaia possui hoje uma demanda reprimida de 30 megawatts.

Na oportunidade, o presidente da Associação dos Municípios do Araguaia e prefeito de Confresa Gaspar Lazari entregou ao ministro um estudo técnico com mais de 500 paginas demonstrando os gargalos da região no tocante ao abastecimento elétrico, e uma projeção detalhada sobre a evolução econômica nas próximas décadas.  

“Voltamos para Querência felizes, mesmo que a térmica não se instale em nossa cidade, sabemos que colaboramos para a conquista da região, os critérios para definição da melhor localização são puramente técnicos, levarão em conta as condições topográficas, a facilidade de expansão da rede, enfim, o ministro é um homem muito sensível, militante de grande regiões produtoras como a nossa, sabe das conseqüências deste estrangulamento”, frisou o prefeito de Querência, Gilmar Wentz.

Participaram da audiência no Ministério de Minas e Energia os prefeitos de São Felix do Araguaia José Antônio de Almeida “o Baú”, de Alto Boa Vista Leuzipe Domingues, de Canabrava do Norte Valdez Viana, de Porto Alegre do Norte Emival Gomes, de Querência Gilmar Wentz, de Santa Cruz do Xingu Marcos Sá, de Luciara Fausto Azambuja, de Gaúcha do Norte Nilson Aléssio, de Pontal do Araguaia Divina Oda, de Serra Nova Dourada Edson Ogatha, de Bom Jesus do Araguaia Joel Ferreira, de General Carneiro Magali Vilela, de Novo Santo Antônio Eduardo Penno, o prefeito de Água Boa Mauro Rosa, de Ribeirão Cascalheira Reynaldo Diniz, de Nova Xavantina Gercino Rosa, e o prefeito de Marcelândia Arnóbio de Andrade.

 

 

Naiara Martins

 

Comentários

Data: 13/04/2015

De: energia

Assunto: rdefgc

se estalasse esta hidrelétrica e a anergia caise o preço era bom mais ao contrario, alem do inpacto ambiental...

Data: 11/04/2015

De: Usuário

Assunto: Energia cara e o meio ambiente como fica?

Atá, grande obra que vai gerar muitos empregos e renda e vai desenvolver a região, bla bla bla.
Não convém usar um tipo de energia não renovável e cara(como o se a conta de energia fosse barata hoje). O sistema energético realmente é muito precário em nossa região, mas, também não podemos aceitar que um projeto que não é eco-eficiente seja implantado sem levar em consideração o seu impacto ambiental.

Novo comentário