10/06/2015 - Homem que matou namorada estrangulada em Cuiabá é preso no MS

10/06/2015 - Homem que matou namorada estrangulada em Cuiabá é preso no MS

A Polícia Civil de Mato Grosso do Sul prendeu em Dourados na última sexta-feira, Gilmar do Carmo Soares, 28 anos. Ele é o assassino confesso da própria namorada, Wilza da Silva Rodrigues, 22.

 

O crime ocorreu em janeiro deste ano no bairro Jardim Mossoró, em Cuiabá. De acordo com as investigações, a vítima morreu estrangulada pelo namorado no quitinete em que ele morava.

 

Gilmar estava trabalhando em um lava-jato no município, sem levantar nenhuma suspeita. A prisão dele aconteceu por causa de denúncias de populares, que viram uma reportagem sobre o caso em um programa policial em rede nacional. 

 

Os policiais foram então até o trabalho de Gilmar, em um laja-jato e conseguiram detê-lo. Ele foi encaminhado para a delegacia, onde confessou o homicídio. Em depoimento, ele justificou que cometeu o crime após ter descoberto traição de Wilza. “Eu matei por que ela me disse estar tendo relações sexuais com outro na minha cara”, afirmou o criminoso em entrevistas para as equipes de TVs. 

 

De acordo com a denúncia do Ministério Público do Estado de Mato Grosso, Gilmar amordaçou a vítima usando um lençol e depois a estrangulou. Desde então, ele nunca mais foi visto em Cuiabá.

 

Após fugir para o Mato Grosso do Sul, o homem chegou a ser preso pelo crime de tráfico de drogas, no município de Águas Claras. Porém, conseguiu fugir da cadeia após 20 dias. 

 

Em Dourados, o assassino vivia uma vida normal e sua prisão causou surpresa dos conhecidos. Segundo alguns colegas de trabalhos, incluindo o seu patrão, Gilmar era um excelente profissional e estava acima de todas as suspeitas.

 

“Ele sempre foi calmo e era um bom funcionário. Ficamos surpresos e jamais imaginávamos que ele poderia ter feito uma coisa dessas”, afirmou. Após prestar depoimento, o lavador de carros foi encaminhado para um presídio.

 

 

 
Da Redação

 

Comentários

Nenhum comentário encontrado.

Novo comentário