10/08/2013 - Artesanato sobrevive no Vale do Araguaia com novo formato de incentivo do governo de Mato Grosso

Principal fonte de renda para milhares de famílias ribeirinhas, o artesanado do Vale do Araguaia está recebendo atenção diferenciada do governo de Mato Grosso, com o Programa de Artesanato (PAB-MT). Prova disso é que até o final da tarde deste domingo (11/08), artesãos e trabalhadores manuais da região do Araguaia poderão aproveitar a realização da 5ª Feira de Negócios em Barra do Garças (MT) para se credenciar junto ao Programa de Artesanato, executado pela Secretaria Estadual de Indústria, Comércio, Minas e Energia (Sicme).

Para incrementar a divulgação do artesanato de Mato Grosso e oportunizar a comercialização dos produtos foi montado um estande durante o evento onde estão sendo confeccionadas as carteiras profissionais dos artesãos.

“Estamos com um grande espaço no evento com mais de três mil peças. São trabalhos de cerca de 100 artesãos de várias regiões do Estado. Contamos também com uma equipe de servidores pronta para orientar e emitir este documento considerado tão importante para incentivar a qualificação, a busca pela legalização e principalmente oferecer novas oportunidades”, explica a coordenadora do PAB, Elvira Costa Leite.

O secretário da Sicme, Alan Zanatta, ressalta os benefícios e a importância da carteira de trabalho para os profissionais. “É um passo muito importante para a vida profissional desse trabalhador, lembrando que através desse programa, o artesão tem direito a isenção na cobrança de ICMS para a comercialização dos produtos, a regulamentação da profissão na Carteira de Trabalho, o cadastramento no INSS, a requalificação em cursos e oficinas de aperfeiçoamento profissional”, completou.

Outro ponto positivo do programa segundo Zanatta é que o artesão passa a ser assistido pela secretaria através de ações do Governo do Estado. “O profissional quando necessário é encaminhado para acesso ás linhas de crédito e também tem a oportunidade de expor seus produtos em todos os eventos promovidos pela Sicme”.

Zanatta explicou ainda que “muitos artesãos não tem condições financeiras para montar o próprio ateliê e vender os produtos, ou então, participar de grandes eventos para divulgar sua arte. O nosso papel é contribuir para que o artesanato de Mato Grosso se fortaleça e conquiste novos mercados”, reforçou o secretário.

A artesã Lucileicka da Silva David, moradora de Barra do Garças, conta que a emissão da carteira profissional trouxe mudanças positivas para sua vida. Os produtos antes vendidos apenas na cidade, já percorreram vários estados do Brasil e em breve irá fazer parte de um importante evento internacional. “Me dedico exclusivamente ao artesanato há mais de 15 anos e hoje tenho certeza que nosso trabalho é reconhecido e ganhou espaço. Através do Programa de Artesanato da Sicme surgiram grandes oportunidades, como esta chance de ter sido uma das duas artesãs de Mato Grosso escolhidas para representar o Estado, na exposição “Mulher Artesã Brasileira”, que será realizada na sede da ONU em Nova York, nos Estados Unidos, em setembro.

Números interessantes

Em Mato Grosso 6.233 mil artesãos já estão cadastrados no Sistema de Informações Cadastrais do Artesanato Brasileiro (Sicab), que reúne dados dos trabalhadores do segmento em todo o país.

A baixada cuiabana é a região com maior número de artesãos, totalizando dois mil. Entre os produtos de Mato Grosso estão doces, licores, peças utilitárias e decorativas de argila, objetos utilitários decorativos de fibras vegetais, viola de cocho, objetos utilitários e decorativos de madeira, colares, brincos, pulseiras de sementes e de pedras, entre outros.





Alan Zanatta observa que os artesãos mato-grossenses, além de vender sua arte para todo o Brasil, também têm comercializado seus produtos para países como a Itália, Alemanha, Espanha, Canadá, Argentina, entre outros.

Desde o mês de maio de 2012, quando teve início a emissão da carteira do artesão foram entregues 570 documentos. Até o mês de dezembro deste ano, está prevista a emissão de 500 a 600 novas carteiras.

Os interessados que moram nos municípios do interior do Estado, devem procurar a prefeitura que entrará em contato com a Sicme. Já em Várzea Grande a secretaria de esporte, cultura e lazer do município é responsável por atender os artesãos e aqui na capital, os profissionais devem procurar a sede do Programa de Artesanato de Mato Grosso, que está localizado na avenida Thogo da Silva Pereira, 311 – Bairro Centro Sul. Informações pelo telefone (65) 3623-0026 / 3623-3023. (Colaborou Fernando Dutra)

 

Ronaldo Pacheco

Comentários

Nenhum comentário encontrado.

Novo comentário