11/02/2011 08h:42 Polícia Federal prende dois de MT e Go com 161 quilos de crack e realiza apreensão recorde da droga no RN

A Polícia Federal realizou a maior apreensão de crack no Rio Grande do Norte da história. Na tarde desta quinta-feira (10), o superintendente da PF no estado, Marcelo Mosele, explicou o transcorrer da "Operação Alegoria", que buscava evitar a entrada de drogas em solo potiguar para o período de carnaval e resultou na apreensão de 161 quilos de crack, na tarde da quarta-feira (9).

Monitorando a rede hoteleira da capital potiguar junto com o auxílio dos empresários, a Polícia Federal investigava a possível entrada de drogas desde o dia 15 de janeiro. Durante o período, um trabalho sigiloso foi realizado para identificar os suspeitos e impedir a chegada de drogas no estado. Com isso, a PF chegou aos dois traficantes que estavam com o crack.

Depois de chegarem a um hotel na orla em uma caminhonete F-250 com aparência de terem percorrido uma grande distância por estradas de terra, houve a desconfiança e a PF foi ao local. Lá, encontraram o carregamento de drogas, que estava abaixo de camadas de sal e milho, utilizadas para disfarçar o cheiro do entorpecente...

Júnior SantosCarro utilizado apresentava sinais de que havia percorrido grande distância por estradas de terraCarro utilizado apresentava sinais de que havia percorrido grande distância por estradas de terra


Os policiais efetuaram as prisões de duas pessoas, que não tiveram os nomes divulgados. Um motorista de 45 anos, morador da cidade de Nova Lacerda, no Mato Grosso, e um comerciante de 27 anos, de Goiânia. O segundo já tinha passagem pela polícia também por tráfico de drogas no Mato Grosso, que foi o local de onde os traficantes pegaram a droga para trazê-la ao Rio Grande do Norte. A apreensão foi a maior de crack já realizada pela PF no estado, superando outra ação em junho de 2010, quando 46 quilos da droga foram apreendidos.
Além da droga, a PF também apreendeu R$ 14.520 em poder dos traficantes, quatro telefones celulares, duas câmeras fotográficas e um aparelho de GPS. De acordo com a PF, os dois podem ser condenados por a até 40 anos por tráfico de drogas e associação ao tráfico, com o agravante de haver a ação entre outros estados. O valor estimado da droga é de R$ 1,5 milhão.

Escrito por Tribuna do Norte