11/05/2016 - "Ser mulher influenciou na abertura do processo de impeachment", diz Dilma

"O fato de ser mulher teve influência na abertura do meu processo de impeachment." A declaração é da presidente Dilma Rousseff na véspera da votação no Senado Federal que pode afastá-la temporariamente do cargo. Dilma discursou em Brasília, na tarde desta terça-feira (10), na abertura da 4ª Conferência Nacional de Políticas para as Mulheres - último evento público confirmado, até as 17h, pelo Palácio Planalto antes da possível instauração do processo de deposição constitucional no Senado.

 "A história ainda vai dizer o quanto de violência contra a mulher, o quanto de preconceito contra a mulher tem nesse processo de impeachment golpista", disse a presidente a respeito de suposto preconceito.

Com uma agenda repleta de eventos públicos nos últimos dias, a presidente repetiu o discurso de que o processo de impeachment é um "golpe", liderado por "traidores" e "usurpadores", e citou os nomes do vice-presidente Michel Temer e do deputado federal Eduardo Cunha (PMDB-RJ), recentemente afastado da presidência da Câmara pelo STF. "Temos que dar os nomes aos bois. Esse é um processo conduzido pelo ex-presidente da Câmara, Eduardo Cunha, em aliança com o vice-presidente da República".
 
Da mesma maneira que ocorreu nos anteriores, o evento teve momentos de palanque contra o impeachment, com gritos da plateia de "não vai ter golpe", "olé, olé, olé, olá, Dilma" e "fica, querida".
 
"Nós sabemos que um dos componentes desse processo tem como base o fato de eu ser a 1ª presidenta eleita pelo voto popular do Brasil. A história vai mostrar como o fato de eu ser mulher me tornou mais resiliente, mais lutadora", disse Dilma.
 
No começo da conferência houve um ato de repúdio ao episódio da detenção provisória de um grupo de 73 representantes do Estado da Bahia dentro de um avião no Aeroporto de Brasília. Segundo informações da deputada Moema Gramacho (PT-BA), as mulheres foram detidas por cinco policiais federais sob a acusação de fazerem manifestação pró-governo Dilma Rousseff dentro da aeronave.
 

Defesa

A presidente voltou a afirmar que não há crime de responsabilidade na assinatura dos decretos de créditos suplementares, que também foram assinados pelos seus antecessores Luiz Inácio Lula da Silva e Fernando Henrique Cardoso. Dilma declarou que se sente injustiçada pelo processo de impeachment. "Eu não estou cansada de lutar. Estou cansada é dos desleais e dos traidores e tenho certeza que o Brasil também está".
 
"Asseguro a vocês que eu vou lutar com todas as minhas forças usando todos os meios disponíveis, meios legais. Queriam que eu renunciasse. A renúncia jamais passou pela minha cabeça. Asseguro a vocês que eu vou lutar com todas as minhas forças usando todos os meios disponíveis e meios legais. O último dia previsto do meu mandato é 31 de dezembro de 2018", afirmou a presidente.
 
 
 
 

Do UOL, em São Paulo

Comentários

Nenhum comentário encontrado.

Novo comentário